08 setembro 2020

Uma semana com a fiel testemunha: William Carey

 


Jorge F. Isah


        Durante anos, tenho lido bastante, não o suficiente (e nunca o será), e realizado anotações no meu blog de leituras e em outros lugares. Decidi então postar essas anotações tal qual foram escritas, sem burilá-las ou alterar-lhes o sentido. Tento assim ser fiel ao apreendido na época da leitura, apenas com a correção de erros datilográficos e ortográficos. Em alguns casos, foram feitas dezenas de anotações; na maioria, algumas. Começarei por um livro que marcou a minha caminhada cristã, e através do qual Deus falou imensamente comigo. Trata-se da biografia do primeiro missionário moderno, o inglês William Carey. Enviado pela Sociedade Missionária de Londres para a Índia, pais pobre, politeísta em cuja tradição praticava-se sem remorsos o infanticídio e o assassinato de esposas, Carey nos deu o testemunho de que, contra tudo e todos, "se Deus é por nós, quem será contra nós?" (Rm 8.31)

        Desejo que a leitura destas notas estimule-o(a) à leitura do livro; pois, tenho como certo o fato de a igreja fraquejar atualmente em parte pelo desprezo (o não querer conhecer ou o querer não conhecer) ao testemunho fiel dos santos em todos os tempos. 

*****

Notas de uma semana lendo "Fiel Testemunha"

em 2008

        
        Sabia pouco sobre o pr. William Carey: era inglês, tornou-se missionário na Índia e, após seis anos de pregação, houve a primeira conversão através do seu ministério. Sabia também que ele foi o primeiro missionário moderno. Portanto, aí está o interesse em ler a sua biografia.
        Estou um pouco além da pag. 100, e Carey ainda está em solo britânico.
        Timothy George descreve as lutas e oposições que Carey e seu grupo (formado por Andrew Fuller, Robert Hall, John Ryland Jr. e John Sutcliff) tiveram para implementar o trabalho missionário, cumprindo a Grande Comissão da qual Cristo nos responsabilizou (Mt 28.18-20).
        O livro relata o amadurecimento espiritual de Carey; e as vias doutrinárias da época (o início do hipercalvinismo, por exemplo), os avivamentos na Europa e América, e um apanhado geral dos trabalhos missionários de Jonathan Edwards, John Elliot e David Brainerd.
     A escrita é agradável e, muitas vezes, torna a leitura compulsiva.

*****

    Na segunda parte, vemos Carey e Thomas na Índia, ilegalmente, e experimentamos um pouco do sofrimento, aflição e angústia pelos quais passaram. Carey perdeu o seu filho Peter, de 5 anos, vítima de uma febre, e viu o nascimento de outro filho, Jonathan, enquanto a sua esposa enlouquecia, e irmãos e amigos morriam pelo caminho. Tendo de sobreviver sem ainda dominar o idioma bengalês, abandonado por todos, com o desejo fervoroso de pregar o Evangelho de Cristo aos pagãos, sofreu sobremaneira com a injustiça, e abandono, da sociedade inglesa missionária, que alegou vê-lo afastar-se do seu real compromisso com as missões para entregá-lo à própria sorte (quando, na verdade, essa sociedade foi quem "esqueceu-se" de Carey, Thomas e seus familiares, sem lhes dar qualquer apoio em sua jornada no oriente).
        É evidente o amor de Willian  para com a obra do Senhor, e o seu único objetivo é a glória de Deus e a conversão de almas. Fica evidente também a providência de Deus em favor dos seus filhos, sustentando-os  espiritual e materialmente.
    Timothy George não poderia ter escolhido título mais apropriado para o livro: Fiel Testemunha.

*****

    A terceira parte aborda a implementação de grupos missionários na Índia, sob a supervisão de Carey, e a sua entrada na vida acadêmica como professor de bengali, sânscrito e outros dialetos hindus; a tradução da Bíblia para esses dialetos; a morte das duas primeiras esposas e do seu filho Félix; o rompimento com a Sociedade Missionária de Londres, e o surgimento de grupos "liberais" mais jovens (em sua maioria heréticos) entre os batistas que se opunham aos métodos de Carey.
        Ele foi professor, pastor, missionário, tradutor, editor, mas o seu objetivo principal era a proclamação do Evangelho de Cristo, sem se esquecer das causas sociais como a luta contra o infanticídio e o ritual de sati (onde as viúvas eram queimadas vivas juntamente com os corpos dos seus maridos mortos), o que acabou sendo proibido depois de muitos anos de luta (nas quais foi apoiado por Wilberforce). Mas em tudo havia o desejo de glorificar a Deus e de obedecê-lo naquilo que era a Sua vontade, como ficou claro em suas palavras,  ao completar 70 anos: 
        "Hoje estou fazendo setenta anos, o que é um monumento à misericórdia e bondade divina, apesar de, numa revista de minha vida, eu encontrar muitas coisas pelas quais devia ser humilhado no pó. Meus pecados ostensivos e concretos são inumeráveis, minha negligência no trabalho do Senhor foi grande, não promovi sua causa nem busquei sua glória e honra como deveria. Apesar de tudo isso fui poupado até agora e ainda sou mantido em sua obra, e tenho confiança de ser recebido na presença de Deus por meio dele. Eu queria ser mais consagrado ao seu serviço, mais santificado, praticando as virtudes cristãs e produzindo frutos de justiça, para louvor e honra do Salvador que deu sua vida em sacrifício pelo pecado" (Carta escrita por William Carey a Jabez Carey, em Serampore, índia, 17/08/1831).

        Apenas alguém que não buscou a glória pessoal, mas honrar ao bom Deus em obediência poderia dizer tais palavras; sabendo que tudo feito só foi possível graças à Ele, que nos amou primeiro.

*****

        Há dois apêndices no livro, um fazendo um paralelo da relevância de Carey para hoje (cap. XI), e outro, o livro escrito por Carey "Uma Averiguação...", o qual é fundamental para se entender os seus pensamentos sobre missões e evangelismo.

*****

            Existe um filme contando a vida do "pai das missões modernas", denominado "Uma Chama na Escuridão", disponível no Youtube e provavelmente em outras plataformas de streaming. 

_______________________ 

Avaliação: (*****)

Título: Fiel Testemunha - A vida e a obra de William Carey

Autor: Timothy George

No. Páginas: 296

Editora: Vida Nova

Publicação: 1a. Edição (1997)

Sinopse: 

    "William Carey é universalmente reconhecido como o “Pai das Missões Modernas”. Seu nome se confunde com o período heroico do movimento missionário protestante iniciado com seus 40 anos de ministério na Índia, período que inclui a saga de outras personagens notáveis como Henry Martin, Adoniram Judson e David Livingstone, cujas vidas foram profundamente influenciadas pelo exemplo de Carey. Sapateiro, botânico, tradutor, pregador, gerente de fábrica – William Carey foi tudo isso e muito mais. Acima de tudo, ele foi uma fiel testemunha do evangelho de Jesus Cristo no meio de uma vida de sofrimento pessoal, de desprezo profissional e de discórdias internacionais. Livro de cabeceira, Fiel Testemunha o conduzirá pelos caminhos trilhados por William Carey, numa linguagem cheia de vida, de emoções e de convicções intensas, que Timothy George sabe expressar com maestria indiscutível, a exemplo de sua outra obra publicada pela Vida Nova, Teologia dos Reformadores."











26 agosto 2020

A Superfluidade Humana em “Retrato de Uma Senhora”

 



Jorge F. Isah


Retrato de uma Senhora é um livro de conflitos, a perpassá-lo em cada página, parágrafo, linha. Henry James é um autor e tanto. Ele penetra e fustiga seus personagens até espremê-los à exaustão e ao limite de suas forças (dele, e deles). E o amor parece ser a causa, a origem de todos os embates e hostilidades nessas relações. Seja o amor à pátria, ou alguém, ou a si mesmo, seus desejos ou convicções, nada é fácil, ou melhor, puro, aos olhos dos personagens. Existe sempre uma áurea de maldade, de oposição, a impedi-lo de se concretizar, materializar-se, em meio às imperfeições e sutilezas aspiradas por almas incapazes de fazer o bem, ainda que o almejem (Ralph, certamente o personagem mais fascinante do livro, mesmo pretendendo fazer o bem, acaba por reconhecer que o bem pretendido não foi além do mal realizado. Ainda que seus esforços sejam nobres, dar à sua prima, Isabel, os meios para realizar o seu idealismo: ser uma mulher do mundo, conhecendo-o, em sua ânsia por liberdade; motiva-o a satisfação de ser o benfeitor anônimo, numa prova de desprendimento, mas também de ascetismo mórbido – Quem ler o livro entenderá).

A ideia do autor de narrar a trajetória de Isabel, no decorrer de alguns anos, menos de uma década, e, especialmente, o que lhe sucederia, sendo uma jovem moderna, independente e visionária, leva-o, contudo, a investigar o fracasso, digo, a frustração de homens e mulheres a circundá-la; satélites em desarmonia, perturbados e caóticos, enquanto a estrela central se implode, incapaz de manter a si mesma, e ao seu círculo, na rota da felicidade. Estão sempre a colidir uns com os outros; e amontoam-se em camadas de orgulho, vaidade e pernosticismo. Não é o retrato de uma senhora, mas da alma humana, de uma sociedade na qual a busca da felicidade e realização tem tão duros e insuperáveis obstáculos que o desgosto parece ser a forma natural de se viver enquanto os sonhos se dissipam, como barcos em naufrágios.

O mal se faz sentir nas doenças, nos encantamentos, nas aspirações, nos convívios, amizades, casamentos, traições e tentativas; percorre os sentimentos, os atos, os desejos, e nem mesmo uma alma angélica e adorável como a de Pansy está imune à tristeza de, sendo cândida, pagar pela impureza dos outros; mais especialmente de seu pai, Osmand e de sua amiga, madame Merle. Esta, com certeza, é ladina, finória, vivendo em uma constante trama, planejando tirar dos outros, em especial o seu círculo mais próximo, as vantagens necessárias para sobreviver, sem ser ela mesmo capaz de retribuir além das intrigas.

É difícil escrever sobre uma história sem contá-la; e é o que venho tentando fazer, sem as vezes obter sucesso. A ideia é relatar o mínimo necessário para aguçar o interesse do leitor, de que ele se disponha a comprar o livro e, ele mesmo, venha a descobrir coisas que não descobri, e ver o que não vi. Tomara que eu possa, com o mínimo, levar alguns a desejarem o muito.

Retrato de uma Senhora é um grande livro, dos melhores que li ultimamente. A trama é elaborada, sem os constantes e desnecessários “sustos” e “perplexidades” que as obras atuais se especializaram, como a maneira mais fácil de fisgar o leitor (de maneira artificial. Escrevem como se fosse um thriller de suspense e emoções “sem pé nem cabeça”). Não é um livro fácil; mas certamente, à medida que se dá voz às personagens, acaba-se por criar uma empatia e cumplicidade com alguns deles. E o grande livro somente o é se amamos e odiamos, apiedamos ou desprezamos certas personagens. Escrito no final do século XIX, é uma obra universal. Talvez, e somente talvez, eu gostaria que James tivesse reduzido o volume total de páginas em algumas dezenas; me parece que cinquenta seria um bom número. Mas, certamente, não serei eu a desprezar uma linha sequer do enredo; pelo contrário, tenho-as, cada uma, como importante para o desenrolar da história.

Voltando a ela, creio que a maioria desprezaria ou não entenderia os percalços, dúvidas e esquemas abusivos e caprichosos em que as pessoas se inseriam ou eram cooptadas. A questão pode ser entendida como o apelo à “primitividade” humana, tão distante da “liberdade” com que se goza atualmente. A verdade é que o livro vai muito além da superficialidade das relações e seus meandros, e que parecem desmerecê-los em prol dos modernosos avanços do sec. XXI. Ledo engano. O homem certamente descrito por James conhecia mais de si mesmo e do outro, e por isso não tinha ilusões, ao menos não se entregava a elas como um cão ao osso. Ao contrário da aparente fleuma de superioridade, da autoconfiança e da quase infalibilidade das apreciações e conceitos “modernos”, o homem permanece o mesmo, em sua busca de felicidade, de satisfação, de realização, mas esquecendo-se de que nelas reside o seu ser. Ele nada mais é do que aquilo que faz ou pensa fazer, para o bem ou para o mal. Ele não é, se não fizer; e mesmo fazendo, deixa de ser. Não o que é, mas o que deseja ser ou pensa ser. Por que isso? Porque a leitura de qualquer obra deve, no mínimo, não ser apenas a apreciação da história pela história, mas o que ela revela do homem, do mundo, do conhecido, do desconhecido, do tangível, do intangível, do natural e do sobrenatural, do homem e de Deus.

Henry James não pretendeu escrever sobre a necessidade do homem de Deus, mas ao descrever a insuficiência humana e o seu fracasso, deixou nas entrelinhas essa exigência; pela falta pode-se saber a ausência, e naquilo em que somos carentes. E, “Retrato de uma Senhora”, é a síntese da superfluidade que em nada preenche ou pode preencher o homem.



__________________________


Avaliação: (****)

Título: Retrato de Uma Senhora

Autor: Henry James

No. de Páginas: 680

Editora: Cia das Letras

      Sinopse: "Retrato de uma senhora, publicado pela primeira vez em 1881, é o primeiro grande romance de Henry James, e talvez sua obra máxima. Num século em que a esposa burguesa insatisfeita tornou-se um personagem literário central, e o adultério um motivo romanesco recorrente - o século da Madame Bovary, de Flaubert, e de Anna Karenina, de Tolstói -, Henry James colocou em cena uma heroína singular, cuja carência essencial é de outra ordem. Com uma narrativa que, astuciosamente, começa lenta, quase contemplativa, e aos poucos se acelera, ganhando dramaticidade, James constrói sua história como um jogo em que cada coisa se transmuta em seu oposto: liberdade em destino, afeto em traição, pureza em artimanha - e vice-versa"







08 agosto 2020

A vida de David Brainerd: A vida realmente com propósito

 


Jorge F. Isah



    Estou relendo este livro pela terceira vez. 

    A primeira, foi logo no início da minha conversão, em 2004. Talvez dois anos após. Causou-me um grande impacto descobrir o quanto David Brainerd fora um servo humilde, dedicado e confiante no Senhor. Durante o seu ministério, findo aos 29 anos, ele buscou com todas as poucas forças físicas que lhe restavam cumprir a vontade divina, fazendo-a com o seu melhor. Ainda que debilitado pela tuberculose, não se esquivou a fazer aquilo que era o foco e o alvo da sua vida: pregar o evangelho a fim de salvar as almas perdidas. 

    Foi estabelecer-se na divisa dos EUA com o Canadá, passando pelas agruras de uma vida sem conforto e sujeita às intempéries climáticas. Para uma pessoa que tem pulmões fracos, nada pior do que o frio congelante daquelas paragens. Estávamos em pleno século XVIII. 

    Mas nada o demoveria do seu objetivo. Nem mesmo a iminente morte (basta lembrar que, à sua época, a tuberculose equivalia a um câncer terminal). A sentença de morte era uma realidade fustigante e assídua. 

    Em seu diário temos os seus pensamentos a respeito de si mesmo, um pecador miserável como se identificava; entregava-se a longos momentos de oração e na leitura das Escrituras; clamando pelas almas pagãs, especialmente dos índios. 

    O livro relata em detalhes as aflições, dúvidas, insegurança em relação ao seu ministério, mas a certeza de ter sido separado por Deus para levar o Evangelho de Cristo a quem o ouvisse. De maneira geral, não se considerava um bom pregador, nem um bom pastor, depositando todas as suas fraquezas no poder do Espírito a fim de ser utilizado como instrumento para conversões e bênçãos aos indígenas, em especial. 

    Ao ler as páginas escritas por David Brainerd, que quase foi genro de Jonathan Edwards (estava prometido a sua filha), nos deparamos com uma mente moldada por Cristo, disposta a sofrer injustiças, tribulações, dores, solidão e desprezo para servir a Deus. Para amar o próximo. E servi-lo também. 

    Ao nos defrontar com o relato, sentirmo-nos ainda mais miseráveis e inúteis não é escolha, mas uma certeza. Aquele homem, ainda que sendo chamado para a glória jovem (morreu aos 29 anos, vítima da tuberculose, como já disse), teve momentos tão intensos com o Espírito de Deus, e serviu-o tão abnegadamente, sem a esperança de qualquer recompensa terrestre, que sentir-nos desgraçadamente improdutivos, fúteis e presunçosos, em nosso orgulho, é inevitável. 

    Não sei o porquê de os cristãos não lerem mais biografias, especialmente daqueles homens que viveram e morreram para servir a Deus naquilo em que tinham de melhor: vasos para a glória de Cristo, e a missão de levar as “boas novas” até onde o Senhor desejasse. Uma geração de crentes que nunca leram ou ouviram falar de Brainerd, Edwards, Bunyam, Spurgeon, Livingstone, Carey, entre outros, é uma geração que desconhece o passado e, certamente, compromete o próprio futuro. O futuro da igreja e o pessoal. Esses homens, e tantos outros, devem servir de exemplo; e suas histórias nos mover a ser mais servos e menos “senhores”, inclusive de nossas vidas. Eles amaram, se dedicaram, viveram e morreram para glorificar o nome do nosso Senhor. 

    O Diário de David Brainerd é um livro fundamental. E, não atoa, foi publicado após a sua morte, pelo seu futuro (e agora ex) sogro, o pr. Jonathan Edwards. E tem sido instrumento, ainda hoje, para mover jovens e adultos ao desejo sincero de servir e dedicar-se a Deus de todo o coração. E à sua obra com fervor. 

    Livro imprescindível.


______________________ 
Avaliação: (*****)

Livro: A Vida de David Brainerd

Autor: Jonathan Edwards

Editora: Fiel

No. Páginas: 328 

Edição: 2a

Sinopse: "Quando voltei a ler este livro, depois de 40 anos no campo missionário, pude ver por que a sua leitura teve tão grande influência em minha vida como jovem. No mundo onde existem poucos a seguir, tenho encontrado em Brainerd uma luz nas trevas. - Pr. Ricardo Denham, fundador e diretor da Editora Fiel. Ao ler o diário de Brainerd, compreendi melhor o valor da biografia de um cristão. Gozei de muita doçura (usando a linguagem de Brainerd) lendo sobre os últimos meses de sua vida... Senti-me muito encorajado ao refletir sobre uma vida de santidade, à luz da possibilidade de uma morte precoce. - Jim Elliot, um dos cinco jovens missionários martirizados pelos índios Aucas, no Equador. Que cada pregador leia atentamente sobre a vida de Brainerd. Que sejamos seus imitadores, assim como ele o era de Cristo, em absoluta devoção pessoal, sem dar ouvidos ao mundo e em fervente amor a Deus e aos homens. - John Wesley, fundador do Metodismo."




31 julho 2020

Luz em Agosto: O mundo idiossincrático de Faulkner






Jorge F. Isah


Gastei um bom tempo lendo este livro. Para ser mais exato, quase um ano. E não foi uma leitura fácil. Em muitos momentos me vi refletindo em algo do texto, sem poder continuar. Um certo “peso” me fazia parar e buscar uma literatura mais digerível, menos estafante. Com isso não estou dizendo que não gostei de “Luz em Agosto”, pelo contrário, já estou engatilhando o próximo livro do autor.

Como Thomas Mann, Faulkner não é para leitores apressados, ao menos, é o que penso. Em um mundo onde a literatura se tornou refém das imagens, como subproduto criado para a TV ou Cinema, é possível afirmar que a maioria das pessoas não se interessará pelo livro. Alguns o considerarão difícil. Outros indesejado. Para muitos outros, ignorado. É o preço a se pagar por gerações e gerações de pessoas cada vez mais apequenadas em seu mundo tubular, de lcd ou led. Mesmo os e-readers pertencendo ao “mundo” dos LEDs, a grande massa ignora-os por completo.

 Faulkner tece a sua linguagem de forma minuciosamente orquestrada, onde cada palavra parece desempenhar uma função além do próprio significado. Ela transcende a si mesma, revelando um mundo muito mais vasto do que o sentido que se atribui. Como se fosse um tubo de imagem (os mais velhos saberão do que estou falando) a emitir uma explosão de ondas capazes de formar uma paisagem nem sempre nítida, nem sempre identificável, mas sempre abrangente. Ainda que os indivíduos tenham nome, endereço e cpf, qualquer um de nós pode se identificar ou identificar algum conhecido entre as figuras criadas pelo autor.  

Os personagens desfilam sua ordinariedade (no sentido trivial, comum), mas por meio de uma narrativa sofisticada e, por vezes, hermética. Penso que nenhum escritor deseja ser impenetrável ou complexo, mas são características que permeiam grandes nomes da literatura (James Joyce me parece o expoente entre todos). Eles gostam de “brincar” com o leitor, em um jogo de charadas intricadas, ou não tão reveladoras, deixando a cargo da imaginação e da intuição o complementar a informação. Há quem goste. Há quem desgoste. Há quem não se importe. O certo é que, uma mesma história pode ser contada de maneiras diferentes. Algumas afloram asco, outras indiferença, ainda outras encanto. Faulkner está no terceiro e último grupo, bastando a atenção necessária, e a paciência ainda mais primordial para degustá-la calma e parcimoniosamente.

O livro conta a história de Christmas (e não é por aqui que cessam as referências cristãs), um homem branco que se considerava negro. Desde a mais tenra idade, viveu o dilema de carregar um sangue que não refletia a cor da sua pele. Na verdade, na casa dos 30 anos, não se identificava com qualquer dos aspectos da sua origem. Apenas se sentia abandonado, jogado à própria sorte. Não se sentia branco, apesar de parecer; e atormentava-se com a negritude, a qual assumiu e alardeou aos quatro ventos, mas que o consumia. Na parte sul da América, onde a escravidão havia sido abolida, mas a segregação estava a pleno vapor, ser negro não era o melhor dos mundos. E Christmas parecia se autoflagelar, ou não ser capaz de escapar do estigma que supunha distingui-lo. Era uma espécie de autoexpiação, de purgar a si mesmo pelo que não tinha, enquanto abandonava o que lhe restava.

Antes, e a narrativa principia daí, temos uma jovem grávida, Lena, prestes a conceber, que atravessa metade do país em busca do pai do seu filho, o qual prometera se casar, mas fugiu, deixando pistas ambíguas do seu paradeiro. Ela viaja solitária, contando com a ajuda de estranhos para alimentar-se e cruzar os territórios à caça do aspirante a marido.

Talvez a figura mais marcante e atormentada seja a do pastor Hightower, homem confuso quanto a sua fé, o relacionamento com Deus, e as lembranças de sua esposa nada sincera. Ele faz várias reflexões, sem contudo chegar a alguma conclusão. Passa boa parte do tempo se torturando com as lembranças e o próprio rumo que a sua vida tomou, quando não está a desgraçar os outros. Não somente através dele, e pelo viés de outros personagens, Faulkner utiliza-se das descrições de lugares, situações e ações para “filosofar”, e trazer um certo aspecto racional, ou intelectual, à profusão de sentimentos. Enigmas que precisam ser desvendados, na busca da verdade, mas que são abandonados pelos dilemas cotidianos. Apenas como aperitivo, transcreverei dois trechos em que Hightower pondera:


“‘Mas no céu e na terra há outras coisas além da verdade’, pensa... ‘Muitas outras coisas’, refletindo em que a inteligência foi, segundo parece, dada ao homem para, nos momentos de crise, ele poder proporcionar a si mesmo formas e sons com que defender-se da verdade” (Pg. 390). 

“‘Talvez tivessem razão em introduzir o amor nos livros’, pensava Hightower. ‘Talvez ele não pudesse viver em nenhuma outra parte’” (Pg. 392)

Não falarei mais sobre a obra em si, dado o meu desprazer em escrever resumos e estragar a curiosidade e o divertimento do futuro leitor.

“Luz em Agosto” não pretende iluminar a vida dos personagens, como se viesse reabilitá-los. Não existe a pretensão de tirá-los da escuridão, na qual todos parecem estar imersos, de uma forma ou de outra. Apenas reconhece-os como são, com todos os seus pecados, dúvidas e as complexidades da natureza humana, permeadas por um mundo tão humano e, por isso, idiossincrático em suas relações. Não há heróis. Há, sim, indiferença, ódio, conflitos, mas também bondade ingênua, como a de Burch. Se existe desapego de um lado, há obstinação do outro. E nem mesmo o desapego sobrevive ao crivo do apego, teimoso.

Este é um livro altamente recomendado para não preguiçosos, e que buscam uma leitura “quase idílica”.



_________________________ 

Avaliação: (****)

Livro: Luz em Agosto

Autor: William Faulkner

No. Páginas: 448

Editora: Cosac & Naify

Edição: 3a, 2015


Sinopse: "Este livro de William Faulkner em nova tradução é um romance de arquitetura complexa. A ruptura com a linearidade desconcerta o leitor. O tempo é estilhaçado e é pela valorização dos estilhaços que Faulkner multiplica os pontos de vista, iluminando figuras sublimes e grotescas. Da atmosfera de violência e horror do Mississippi surgem personagens profundamente humanas. Mas a história não termina aí. Toda a maestria da construção de "Luz Em Agosto" se confirma no último capítulo, numa reviravolta narrativa que o consagrou definitivamente. O leitor, guiado pelo autor, encerra o livro em estado de assombro. Viveu intensamente o horror, tomou contato com os recônditos da alma. Percebeu o passado como um inimigo que não dá trégua. Será assombrado por imagens poderosas. Um livro que não tem fim."







28 julho 2020

Sermão em Atos 4.8-12: A exclusividade de Cristo





              Por Jorge F. Isah



“Ele é a pedra que foi rejeitada por vós, os edificadores, a qual foi posta por cabeça de esquina. E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos” 



INTRODUÇÃO: 

- Pedro e João foram presos e estavam sendo julgados pelo Sinédrio, o Tribunal sacerdotal, por pregarem sobre Jesus, curarem um paralítico e levar multidões à conversão. 

- O objetivo dos judeus era calar os apóstolos, impedindo-os de proclamar o evangelho e curar em nome de Cristo (Atos 3.1-9). 

- O mesmo lugar onde Jesus fora escarnecido, zombado e condenado era agora o local onde Pedro e João também seriam julgados. 

- Da mesma forma que o Senhor foi perseguido, agora os seus discípulos também seriam. Confirmando o que o próprio Senhor havia falado a respeito: 

“19. Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos odeia. 20. Lembrai-vos da palavra que vos disse: Não é o servo maior do que o seu senhor. Se a mim me perseguiram, também vos perseguirão a vós; se guardaram a minha palavra, também guardarão a vossa.”(João 15.19-20) 

- A promessa se cumpria na vida dos apóstolos, e também há de cumprir em nossas vidas, se somos realmente servos do Senhor e proclamamos o seu santo Evangelho. 



A FÉ QUE VEM DE CRISTO E RETORNA A ELE EM LOUVOR:

- Aquele homem paralítico queria dinheiro ou comida ou roupas, ou algo que pudesse ser útil em sua subsistência. Se atentarmos para a tradição judaica, alguém que estivesse doente, tivesse uma deficiência ou fosse pobre assim o era por causa do seu pecado, e por não ser abençoado por Deus. 

- O exemplo de Jó (Jó 1.8-11) é o mais claro. Enquanto teve riqueza, gado, casa, tesouros e servos, foi um homem respeitado, estimado. Até mesmo Satanás compreendia que ele era fiel a Deus porque Deus o cobria de mimos e cuidados. Na visão de Satanás, se Deus lhe tirasse tudo, Jó não teria motivos para permanecer fiel. Em outras palavras, a fé era consequência daquilo que ele recebia, e não de Deus que a sustentava. 

- Pedro não tinha dinheiro ou bens para aquele homem, mas o que tinha, a fé em Cristo para curá-lo ele deu. Eles estavam na porta do Templo, e uma multidão, que conhecia aquele paralítico que diariamente estava ali esmolando, maravilhou-se, correndo para junto dos apóstolos. 

- Pedro, notando que estavam perplexos com o milagre, e acreditando que o poder era deles, disse: 

“12. Homens israelitas, por que vos maravilhais disto? Ou, por que olhais tanto para nós, como se por nosso próprio poder ou santidade fizéssemos andar este homem? 13. O Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó, o Deus de nossos pais, glorificou a seu filho Jesus, a quem vós entregastes e perante a face de Pilatos negastes, tendo ele determinado que fosse solto. 14. Mas vós negastes o Santo e o Justo, e pedistes que se vos desse um homem homicida. 15. E matastes o Príncipe da vida, ao qual Deus ressuscitou dentre os mortos, do que nós somos testemunhas. 16. E pela fé no seu nome fez o seu nome fortalecer a este que vedes e conheceis; sim, a fé que vem por ele, deu a este, na presença de todos vós, esta perfeita saúde.”. 

- Aqui cabe um adendo: a fé não pode ser uma fé qualquer. De se crer em qualquer coisa ou feito por meio de outra pessoa. Não. A fé verdadeira é aquela depositada exclusivamente em Cristo e em seus méritos. A fé em si mesma, em outros deuses, santos ou qualquer outra coisa ou objeto, ainda que produza resultados, não é capaz de louvar e honrar o único merecedor da nossa fé: Cristo! 

- Em outras palavras, mesmo que milagres aconteçam em nome de outra pessoa ou objeto, ele não glorificará o Senhor, e, portanto, é um evento cuja origem está em Deus, mas a reputamos a outrem, tirando a glória de Deus. 

- Nesse sentido, o mesmo desprezo que os israelitas tiveram ao escolher um assassino, Barrabás, e condenarem Cristo à crucificação é reprisado. Não dar glórias a Deus pelo que somente Deus faz é desmerecê-lo. Sendo Cristo o único a nos ligar ao Pai, menosprezamos e desdenhamos dele. 



O CHAMADO AO ARREPENDIMENTO:

- Temos esta vida para nos arrepender. Não haverá qualquer chance de arrependimento após a nossa morte. Este é o momento de colocar diante de Deus todos os nossos pecados, inclusive os cometidos diretamente contra ele. Sim, há pecados cometidos diretamente contra o Senhor, e existem pecados que, mesmo não cometidos diretamente contra o Senhor, também o atingem. 

- Exemplos: 

1 – Dar honra e glória a outro deus, ou anjo, ou santo, ou a si mesmo, ou à ciência, ou à natureza, ou a qualquer outra coisa que não seja o Deus Trino, é pecado. 

2 - Furtar ou cobiçar o que não nos pertence mas está na posse de outra pessoa, é um pecado cometido diretamente contra essa pessoa, contudo, o Senhor como Legislador e Juiz é ofendido com o nosso ato, e pecamos também contra ele. Todo o pecado é contra Deus. Tanto que nos 10 mandamentos, os primeiros 5 pecados são cometidos diretamente contra Deus: p. ex. Êxodos 20.3-5a 

2¹- Os demais 5 mandamentos se referem à relação entre os homens, mas ao infringir a lei, criada pelo próprio Deus, tem por objetivo atacar a sua santidade: p. ex. Êxodos 20.12-16 

- Pedro, ao chamar o povo ao arrependimento, não o faz somente em relação aos pecados cometido uns contra os outros, mas o faz, sobretudo, pelo pecado de não honrarem a Cristo como o Filho de Deus, quebrando assim os primeiros 5 mandamentos da lei que eles diziam reverenciar e obedecer. 

“19. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e para que venham assim os tempos do refrigério pela presença do Senhor” (Atos 3.19) 

- Portanto, arrepender-se de uma mentira ou cobiça desprezando Cristo e não lhe dando a honra devida, é o mesmo que não se arrepender. Jesus tem de ser a razão do nosso arrependimento, pois foi ele, e mais ninguém, que morreu na cruz, carregando sobre si as nossas iniquidades, os nossos pecados, todos eles, para nos levar ao Pai e fazer-nos seus filhos adotivos. 



CRISTO A PEDRA DE ESQUINA:

“Ele é a pedra que foi rejeitada por vós, os edificadores, a qual foi posta por cabeça de esquina” (v.11) 

- Pedra angular, como o próprio nome define, é a primeira pedra a ser assentada em uma construção. Ela é colocada exatamente na esquina (ou quina) entre duas paredes, formando um ângulo de 90 graus. É a partir dela que se constrói o restante do edifício. 

- Pedro está citando o Salmos 118.22. Ele afirma que os judeus, os construtores, rejeitaram a pedra de esquina, Jesus Cristo, e por isso todo o “edifício” espiritual e da fé construido não se sustentaria. Em outras palavras, ao rejeitarem Jesus como o Messias, o Filho de Deus, toda a fé judaica estava firmada em nada, ou seja, estava prestes a ruir. 

- De nada serviriam os seus sacrifícios (encerrados em 70 d.c., na destruição do Templo); o apego à lei, à salvação por obras; a tradição; seus códigos e doutrina, porque tudo se desmoronaria e viria abaixo, porque estavam fundados em mentiras e na negação de Cristo, como Senhor e Salvador. 

- Da mesma forma, muitos de nós acabam por desprezar o fundamento da fé e do relacionamento com Deus, o Pai, entregando a todo o tipo de sincretismo, sacrifícios, esforços próprios que invalidam exatamente o encontro com Deus. 

- Sem Jesus, não existe qualquer possibilidade de redenção, de aproximação de Deus; e ninguém, seja uma pessoa, uma instituição, uma religião, um amuleto, ou qualquer outra coisa, pode ligar o homem a Deus. Somente Cristo, e por meio do seu sacrifício vicário na cruz, podemos nos achegar a Deus, e sermos chamados verdadeiramente de filhos. 



CRISTO O ÚNICO NOME A SALVAR: 

“E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos”(v.12) 

- Pedro reafirma os méritos de Jesus, ao novamente afirmar que em nenhum outro há salvação. A salvação é algo que não pode ser conquistada pelo homem. Ninguém pode se salvar a si mesmo por meio de boas obras, de sacrifícios, cumprindo rituais, pagando promessas, ou participando desta ou daquela igreja, desta ou daquela religião. 

- O batismo não salva. Unção com óleo não salva. Orar no alto do monte não salva. Ir à igreja não salva. Participar da ceia ou comunhão não salva. O sinal da cruz não salva. Carregar uma cruz não salva. Nem um culto ou missa fúnebre salva. Nem as bênçãos do pastor ou padre salvam. 

- Em um sentido primário, nem mesmo ler a Bíblia salva. Ela é instrumento divino para a instrução, revelando-nos a nossa condição de inimizade com Deus, os nossos pecados, e necessidade urgente de reconciliarmos com Ele. Mas ela, por si só, não salva. Se fosse assim, muitos leitores da Bíblia não estariam no inferno. 

- Apenas Jesus Cristo salva. Ele sim é o Redentor, Senhor e Justificador do homem. E é isto o que Pedro diz: 

“debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos”. 

- É urgente que você, caso creia em alguma outra maneira de salvação, reveja os seus conceitos e, à luz da Palavra de Deus, arrependa-se dos seus pecados e se coloque inteiramente nas mãos daquele que tudo fez, inclusive pagar sofrer na cruz a pena que nos era devida, quitando-a, e tornando-nos santos como Ele é santo. 

- Cristo foi quem saldou a nossa dívida; e ela não existe mais, extinguiu-se e fomos libertos da condenação e separação eterna de Deus. Não porque fiz isso ou aquilo, acreditei nisso ou naquilo, mas porque Cristo o fez em meu lugar, e agora me chamou para estar eternamente com Ele, e pregar o seu Evangelho de vida, a outros que, como eu, e você, estávamos mortos em nossos delitos e pecados. Mortos para Deus. 

- Ele é o único capaz de nos levar à vida, à vida com Deus. 



CONCLUSÃO: 

- Portanto, neste momento, oro para que cada um de nós faça uma reflexão, busque em seu interior as razões pelas quais ainda não entregamos a nossa vida em suas mãos santas, puras, eternas e perfeitas. Por que resistimos, crendo que o “poder” de salvar está em nós. Por que nos iludimos com a tradição, práticas pagãs, com a ideia de sermos salvos por uma igreja ou religião, ou mesmo por outrem, seja deus, anjo ou santo, e rejeitamos a Cristo. 

- Sim, quando não reconhecemos a suficiente da sua obra, depositando-a em qualquer outra coisa ou pessoa, rejeitamos o único que pode salvar, e efetivamente salva. 

Como está escrito: 

“23. Disse-lhe Jesus: Teu irmão há de ressuscitar. 24. Disse-lhe Marta: Eu sei que há de ressuscitar na ressurreição do último dia. 25. Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; 26. E todo aquele que vive, e crê em mim, nunca irá morrer. Crês tu isto? 27. Disse-lhe ela: Sim, Senhor, creio que tu és o Cristo, o Filho de Deus, que havia de vir ao mundo.” (João 11.23-27) 

- O Senhor nos capacite a crer somente nEle; e nos livre das tentações e distrações que nos afastam de uma vida plena em salvação e graça.

_________________________ 

Nota: Para ouvir o áudio da pregação, clique em Tabernáculo Batista Bíblico


08 julho 2020

O Encontro Marcado e Desmarcado em Eduardo





Jorge F. Isah



A primeira coisa que me chamou a atenção foi a fluidez da narrativa, quase uma corrida tresloucada empreendida pelo autor para “prender” o leitor. Há uma profusão de imagens, diálogos e cenas a se atropelarem umas sobre as outras, como se estivessem a competir entre si; tal qual o personagem principal Eduardo Marciano (um alterego de Sabino?) fazia enquanto atleta da natação. Há também cortes abruptos e “finais” sem fim, para que o próximo ato não se perdesse em meio às superficialidades narrativas. Mais do que uma apreciação, e menos do que uma censura, o fato é que dá para ler “Encontro Marcado” de uma sentada só. Nesse aspecto, temos um ponto a favor. 

A segunda coisa que me chamou a atenção foi a futilidade ou melhor, a falta de propósitos de uma geração, especialmente dos autores mineiros. Em meio ao “Estado Novo”, a 2ª Guerra Mundial, a “Guerra Fria”, e a ascensão comunista na Europa, Eduardo e seus amigos Hugo e Mauro (a tríade etílica mais que literária), se consumia em porres homéricos, sexo fortuito, intrigas, arruaças, e uma busca existencialista, quase niilista, que os levava à angustia e ao desespero. Mesmo sabendo que a juventude é palco para as aspirações menos “nobres” e dignas da vida, eles se aplicavam a superar, em muito, o vulgar e ordinário. Ainda que tudo parecesse uma “farra”, onde os desejos eventuais se pareciam vícios, no desequilíbrio de uma rotina nociva e autodestrutiva, Eduardo, um católico não praticante, atormentado pelas dúvidas em relação a Deus, apegava-se à invocação carnal, intelectual, como remédio para a insatisfação espiritual. E não se pode livrar de um problema com o tratamento para outro problema. Na verdade, a baixa disposição moral, o orgulho exacerbado e pretensa superioridade faziam agravar ainda mais a insatisfação existencial, à medida em que o tempo passava e nada daquilo a que se propunham chegava a bom termo. 

A terceira coisa, foi a nítida impressão de um livro escrito “às pressas”, de aparente superficialidade, mas que, na verdade, discute, e, quando não o faz, apresenta os temas mais importantes da humanidade e que torna o homem no que ele é, um ser ambíguo, duplo, quebradiço, instável. A modernidade fez, no sentido do ceticismo, hiperbolizar essas características ao ponto de perder-se tal qual o cego buscando a agulha em um palheiro. 

Portanto, não se iluda com a linguagem pretensamente despojada, porque ela guarda muitas surpresas ao leitor atento. 

Com o mote de um “encontro marcado” entre os amigos, no futuro (coisa que quase todo mundo prometeu fazer mas não cumpriu), temos na verdade a busca pela realização e o encontro com uma realidade nada idealizada. Eduardo, por exemplo, buscava sempre a ideia brilhante para um grande romance despontar, e nunca acontecia. Se dispunha a sacrifícios em prol da arte da escrita, mas ela se lhe apresentava ingrata e nula. Apesar dos artigos, contos e poemas esporadicamente publicados na imprensa, a sua obra notável permanecia irrealizada, inédita. Persistia, contudo, a busca pelo sentido; e este cada vez mais se mostrava distante da vida burguesa a qual se propunha, regada a “sexo, drogas e rock”. 

Interessante notar que, pelas vias biográficas, a história nos mostra que o homem sempre esteve às voltas com a distração; os prazer carnais e intelectuais seriam a “ponte de salvação” para a humanidade, mas se mostrou, em todos os casos, apenas devastadora e falaz. Enquanto o homem busca, em si mesmo, a razão para a “vida”, seus esforços serão menos do que insensatos e mais do que tolos. Existe no homem a necessidade de Deus, e ela não pode ser preenchida por nada além do próprio Deus. Por isso o homem ergue ao “patamar de Deus” o conhecimento, a ciência, o sexo, os vícios, o dinheiro, o poder, o trabalho, e qualquer outro ídolo a substituí-lo, sem, contudo, se sentir plenamente realizado e satisfeito. Eduardo é assim. Na busca de sentido, perdeu-o em alheação e descuido. Restou-lhe a solidão e os vícios a tentar preenchê-la. 

Algo nele está a apontar para Deus, na forma da religião ou tradição religiosa, mas ele não a busca verdadeiramente, até se ver por completo alijado do mundo construído à sua volta (este sim, à custa dos seus esforços), e restar-lhe os conselhos do amigo monge. Ainda assim, não existe disposição para encarar a realidade da sua auto-insuficiência, e seus questionamentos parecem mais uma satisfação à sua (in)consciência, sem a pretensão ou o desejo de encontrar respostas às perguntas. Não parece haver sinceridade, apenas desespero. Nem uma busca real, mas o despiste e a negação da razão. Sim, interpelar-se significava acomodar a consciência, em uma fuga contingente, sem o objetivo de alcançá-la. Nesse sentido, o “encontro é desmarcado”, e suas buscas infrutíferas e não desejadas. 

Eduardo é a personificação de uma geração, digo, de muitas gerações de artistas, em épocas e lugares diferentes, envolvidas pelo fracasso. Tinham todos os recursos para se destacarem em seu tempo, mas preferiram a permanência em uma “zona de desconforto”, no qual a insatisfação e a autovitimização encarregaram de derrotá-los. O ego exacerbado e o orgulho jogaram uma pá de cal no talento e na disposição natural, levando-os ao fiasco. Não apenas como artistas, mas como homens. 

Fernando Sabino trata desse homem, o homem perdido e não encontrado. O homem buscado e nunca achado. O homem de intentos, mas sem sentido. Os sentimentos prevalecendo sobre a razão. Cada vez mais ressentido, contristado, combalido. E o tempo passa, e nada muda. Porque o sentimento verdadeiro se perdeu em meio à algazarra de todos os espíritos consternados, aflitos. De uma aflição artificial, feita a fórceps, e por isso ainda mais desordenada e letal. 

Este livro foi uma grata surpresa, especialmente porque, na minha adolescência, havia lido alguns livros de Sabino, e não guardava nada daquelas leituras. Abriu-me o apetite em reler, e ler, outras de suas obras.

 

___________________________ 

Avaliação: (***)

Título: O Encontro Marcado

Autor: Fernando Sabino

Editora: Record

Número de Páginas: 296

Sinopse: "Esta é a história de um jovem em desesperada procura de si mesmo e da verdadeira razão de sua vida. Quase absorvido por uma brilhante boêmia intelectual, seu drama interior evolui subterraneamente, expondo os equívocos fundamentais que vinham frustrando sua existência e sufocando sua vocação. O encontro marcado é a história de Fernando Sabino? Sim, mas não se trata de uma autobiografia. É a história atormentada de toda uma geração, naquilo que ela tem de essencialmente dramático. Em meio às confusões da vida, procura-se um valor que dê sentido à desconcertante experiência pessoal de quem trava um duelo de morte com a vocação furtiva. História de adolescência e juventude, de prazeres fugidios, desespero, cinismo, desencanto, melancolia, tédio, que se acumulam no espírito do jovem escritor Eduardo Marciano, um homem que amadurece num mundo desorientado. Ele vê seu matrimônio quebrar-se quando já não pode abdicar; por força de sua própria experiência, o suicídio deixa de ser uma solução. Nessa paisagem atormentada, ele deve renunciar a si mesmo, para comparecer ao encontro com uma antiga verdade." 





23 junho 2020

Um jardim quase real em "Flores Artificiais"






Jorge F. Isah



Este é o primeiro livro de Luis Ruffato que li. Se considerar que “Eram muitos Cavalos” passou por duas tentativas, mas foi impossível conclui-la, “Flores Artificiais” é o meu livro de estreia no universo “Ruffatoniano”. Aquele era um livro por demais experimental, na pior concepção do termo (travado, caótico, impermeável), e que não consegui prosseguir. Ainda penso em uma terceira investida, mas não sei quando se dará ou se dar-se-á.

Em “Flores Artificiais”, o texto flui, porque existe uma história, ainda que a narrativa não seja convencional. Nada de novo debaixo do céu, mas sem invencionices estilísticas e herméticas que mais afastam do que aproximam o leitor, existe uma sobreposição de relatos. Alguém pode considerar que a minha experiência é a de um leitor comum, mas comum ou incomum (não sei a que os termos se referem), certos livros são chatos, demasiadamente chatos, pretenciosos, e não contam uma boa história, se é que contam.

Ruffato parece se preocupar com a linguagem e o estilo mais do que a narrativa, ao menos foi uma das primeiras impressões que tive com essas duas obras. Não há nada de mal, mas muitas vezes compromete o relato. Ainda sou daqueles que apreciam uma boa história e bem contada, aos moldes de Dickens, Machado, Dostoievski, Faulkner e Mann, para citar alguns. Quando o estilo ou a forma prevalecem sobre o relato, é sinal de uma história ruim embalada em uma prosápia.

O livro é basicamente composto de histórias dentro de uma história. O personagem principal, Dório, é um funcionário do Banco Mundial, sem residência fixa, um “homem do mundo”, sem identidade, sem pátria, sem um porto seguro. Vive de trabalhar em vários continentes (nunca sabemos ao certo o que faz), e acaba por descrever a vida das figuras que o cercam. Seria um “voyeur”, a viver a vida através das vidas alheias. Ao menos, quanto ao objetivo de narrá-las, ou um “resumo” de vida.

Tudo começou quando, por conselho da sua psiquiatra, decidiu escrever suas “memórias”, a fim de colaborar no tratamento da solidão ou isolamento. Na meia-idade, solteiro, sem amigos ou parentes, encontrava-se em estado de letargia; então a resolução em compilar muitas das histórias que presenciou, e faziam parte da sua própria história. Por isso, disse, que este era um livro de histórias dentro da história. Na verdade, pouco se sabe sobre o personagem em si, porque a narrativa se atém mais ao que ele vê, e interage, do que propriamente seus sentimentos e pensamentos.

Com o material em mãos, envia-o ao autor (Ruffato?) para aprimorá-las e dá-las um toque final, romanesco; ciente da incompetência em escrevê-las, do ponto de vista literário. Prova é que, na introdução, o autor diz não ter aproveitado nem metade do material enviado.

Não o classificaria como um romance, ainda que o façam. Se aproximaria mais de um livro de contos, já que as narrativas não têm conexão, a não ser na figura do intérprete ou narrador.

Quanto a Dório, ainda que o autor tente convencer o leitor da sua existência, como um personagem real e não fictício, não há como não entender a sua presença longe do escopo virtual. Dório é criação de Ruffato, fruto da sua imaginação, ainda que jure não ser.

E o livro, como ficção, é bom, mas nada além do comum, porque Ruffato quer comunicar o comum, a vida comum, pessoas comuns, mesmo com algum malabarismo estilístico e formal. E consegue, as vezes, manter o equilíbrio entre elas. Criando um jardim quase real de flores artificiais. 



________________________ 

Avaliação: (***)

Título: Flores Artificiais

Autor: Luiz Ruffato

Editora: Cia das Letras

No. Páginas: 152

Sinopse: 

"O escritor Luiz Ruffato recebe em sua casa a correspondência de um desconhecido. Trata-se de um manuscrito, uma compilação de memórias que Dório Finetto, funcionário graduado do Banco Mundial, redigiu a partir de suas muitas viagens de trabalho. Como consultor de projetos na área de infraestrutura, Finetto percorreu meio mundo numa sucessão de simpósios, reuniões e congressos. A mente de engenheiro, no entanto, esconde um observador arguto e sensível, uma dessas pessoas capazes de se misturar com naturalidade num grupo de desconhecidos. De Beirute a Havana, passando por Hamburgo, Timor Leste, Buenos Aires e incontáveis lugares mundo afora, Finetto colecionou grandes histórias e pequenos acontecimentos. Foi tão capaz de se misturar à vida local quanto de saber a hora exata em que o prudente é tomar distância e não se envolver. Por alguns momentos, fez parte da vida dessas pessoas. Em outros, foi protagonista involuntário do drama alheio. Às vezes, assistiu a essas realidades quase como de um periscópio. Foi a partir dessas observações que Finetto compôs seu Viagens à terra alheia, o manuscrito que mandou ao conterrâneo Luiz Ruffato. E é este livro dentro do livro que Ruffato irá transformar no romance Flores artificiais. Partindo de um esqueleto ficcional, Ruffato - o autor, e não o personagem do próprio livro - irá embaralhar as fronteiras entre ficção e realidade, sem jamais perder de vista a força literária que é a grande marca de sua obra."





04 junho 2020

Os loucos não reconhecem a própria loucura!







Jorge F. Isah
 


Em matéria de Cristianismo, os chamados "cristãos-marxistas" não entendem nada do que seja o Evangelho, desconhecendo o seu real significado e objetivo que é não tornar o homem perfeito na terra, nem criar o homem ideal, mas que os cristãos sejam exatamente aquilo para o que foram chamados: imitadores de Cristo. 

Em qual mundo é possível se defender uma ideologia que, em sua história, massacrou e ainda massacra milhões de irmãos? Cuja única culpa é amarem o Senhor de suas vidas? Culpados por professarem a fé indestrutível? Culpados por não se sujeitarem a "rezar" na cartilha esquerdista? Ou de qualquer governo, ou ideologia, ou movimento, a torná-los idólatras? E não adorarem o deus-estado? E não crerem num falso-salvador?

Seria o mesmo que cristãos primitivos defendessem a prisão e execução dos irmãos pelo governo romano, ou, ainda defendessem a crucificação de Cristo. Alguém pode dizer que devemos amar os nossos inimigos, mas não estou falando de amá-los, porque o amor pressupõe o desejo de levá-los à compreensão do "bem supremo. Pregando-lhes Cristo como Senhor e Salvador, mas também aquele que mudará a natureza do pecador, tornando-o santo e conformando-o à sua imagem. Quando evangelizamos um criminoso queremos que ele, conhecendo a Cristo, liberte-se dos crimes e faça o bem. 

Amar o próximo e amar o mal que ele produz não é amor ao próximo, mas amor ao que ele faz. Para amá-lo verdadeiramente desejamos a sua transformação, a sua conversão, e de que ele tenha a mente de Cristo, abandonando o mal para apegar-se ao bem. 

Ao defendermos governos e pessoas malignas, no mal que praticam, negamos qualquer efeito do Evangelho sobre elas. De que adiantaria proclamar a verdade se apoiamos as suas mentiras?

Somente neste mundo caído, e miserável, e cego, e nu, no qual vivemos, essa incoerência é possível. Em que vale mais dizer o que se quer ser, como uma possibilidade ainda que irreal, do que viver o que se diz ser... ou deveria ser. 

Utopia regada a sangue inocente e fundamentada no mal que dizem combater. Terminando por solapar e destruir também inúmeras almas. 

Como diz o Senhor Jesus: 

"Por que não entendeis a minha linguagem? Por não poderdes ouvir a minha palavra. Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira" (João 8.43-44)

Os loucos nunca reconhecem a própria loucura!



19 maio 2020

Prefácio de Fábio Ribas ao livro "Esconderijo de Dias Intangíveis"





 ________________________

“O mistério é assimilar,

por que Deus se fez homem,

viveu e se ofereceu

aos inimigos?”

________________________

 

Todo livro é um encontro. Um encontro não meramente com seu autor, mas com todas as vozes, lugares e tempos proporcionados pela narrativa que lemos. E a poesia de Jorge Isah me trouxe ao encontro de inúmeros personagens, sujeitos dispersos, que, senti eu, o autor arrancava de dentro de si. Como se percorrêssemos 20.000 léguas para dentro do mar sem fim desse universo criado pelo autor, mas o capitão tem mão segura e, assim, verso a verso, leva-nos numa cadência existencial que nos coloca diante de nós mesmos.

Encontrei-me com um poeta que, além das narrativas, amadurece e domina a métrica, o ritmo e a rima de forma cada vez mais precisa. Um poeta que desapossa de si sua poesia e nos oferece um encontro conosco também, porque é de nossos vãos e recônditos, da nossa carne e da nossa espera por intervenção divina que nos deparamos com a nossa humanidade. As lutas, os devaneios, as indagações e o desespero dos personagens de Jorge Isah são os mesmos de todos nós. Estamos sempre nos esbarrando com estes sujeitos múltiplos - este vaso que caiu das mãos da criada descuidada e se fez em mil pedaços - e nos surpreendemos ouvindo tantas vozes. Eu me assombrei quando li a voz que também sempre ouço: “Calma, ninguém nunca quer”! 

A poesia anseia um dia ver o perfeito face a face e a obra de Isah é uma obra de santidade, pois relembra que a divindade ou, melhor dizendo, o Espírito Santo, é quem reunirá os sujeitos dispersos e nos dará, um dia plenamente, mas, aqui neste front de guerra, a cada dia e todo dia, o ajuntamento necessário e preciso dos nossos cacos, dos nossos pedaços, até que nos olhemos no espelho e possamos ver, em nós, Jesus, o Cristo, completo.

Todavia, ainda seguimos tateando o velho arcano. E os versos são os campos de batalha, porque todo poeta também necessita ser santo. Fugindo da religiosidade, embora se deparando com ela todo dia, o poeta força a palavra como quem força a vida no intuito de recriar a criação. E o que seria do ourives sem sua prata e seu ouro? E o que seria do poeta sem suas palavras? A árdua disputa do poeta contra seu verso se faz necessária, porque fomos chamados para dominar a natureza dos signos e o universo dos significados. É um embate, é mesmo uma guerra de conquista, por isso o verdadeiro poeta sabe que o texto - fruto desse esforço espiritual e físico - é símbolo de sua terra definitiva. Finalizado e dominado no espaço exato da forma, todo poema é para seu autor sua terra prometida: nossa escritura é nossa pátria! 

Eu quero convidar você a ler estas páginas com a reverência necessária - o respeito pelo sagrado - que nossa geração perdeu, mas que tanto carece, ainda que não consiga discernir isso na confusão da nossa decadente modernidade.  

 

Fábio Ribas

 

_____________________________________ 

Livro: Esconderijo de Dias Intangíveis

Autor: Jorge F. Isah

Editora: Kálamos

No. Páginas: 162

Sinopse: "Este livro promove um encontro não meramente com seu autor, mas com todas as vozes, lugares e tempos proporcionados pela narrativa. Os poemas apresentam inúmeros personagens, sujeitos dispersos, que o autor parece arrancar de dentro de si. No mar deste universo criado pelo autor, o capitão tem mão segura, verso a verso conduzindo a uma cadência existencial que coloca o leitor diante de si mesmo."



06 maio 2020

Cristo venceu










                                                    ___________

"Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a destra da minha justiça" (Isaias 41.10)

                                                      _________


Jorge F. Isah



Foram 36 dias internado em três hospitais diferente: Odilon Behrens, Metropolitano e São Francisco. Internei-me no dia 15 de Março com suspeitas de problemas na vesícula biliar, tendo em vista uma icterícia que me acometeu de uma hora para outra, deixando-me igual a um dos personagens dos Simpson, completamente amarelo. Muitos exames, antibióticos, jejuns e litros de soro, descobriu-se que eu estava com um nódulo no pâncreas, e este comprimia a vesícula, impedindo que a bílis fluísse para o intestino, causando o amarelão. Havia a suspeita de neoplasia, de ser um tumor. 

Sempre soube que tumores no pâncreas eram os mais difíceis de serem tratados, e os que ocasionavam maior mortalidade. Ainda assim, o Senhor manteve-me calmo, esperançoso, confortando e fortalecendo-me em meio às dúvidas e incertezas médicas. Como testificou o apóstolo: “Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus” (Fp 4.6-7). 

Havia ainda um agravante: por causa do Coronavírus, estava isolado, distante da família, sem visitas ou acompanhamento. Mas Deus, em sua infinita misericórdia e amor, fez com que os médicos, enfermeiros, auxiliares, atendentes, copeiras e faxineiras cuidassem de mim de uma maneira tão especial que me sentia parte de suas famílias. Nesse ponto, pude testemunhar o cuidado divino, o seu amor gracioso e bondoso me envolvendo por todos os lados, de forma que não me encontrei abandonado um único instante; pelo contrário, o Senhor me carregou como a um recém-nascido, protegido, aquecido, alimentado, nos braços do Pai amoroso. 

Mesmo nos momentos de fome, senti-me alimentado; de frio, senti-me aquecido; cansado, repousado; fraco, fortalecido; preocupado, tranquilo... A maior parte do tempo estive em paz, não uma paz brotada da minha alma, mas a paz que somente o nosso Senhor pode dar, e ma deu. Em todos os momentos, a presença de Deus era diretamente viva, e, indiretamente, demostrada pelo cuidado, atenção, carinho e dedicação das diversas equipes dos hospitais. 

Também pude, durante a internação, aprender muitas coisas ensinadas pelo Senhor, como a humildade (dependia completamente de todos; e não havia nada que pudesse fazer por mim mesmo) e o amor ao próximo. Pude não somente me compadecer dos doentes com os quais convivi, mas a amá-los de uma maneira que o evangelho de Cristo nos ensina e o Espírito nos capacita a fazê-lo. Orei com alguns deles, falei de Jesus, e testemunhei a minha completa dependência dEle. 

Louvo a Deus por aqueles 36 dias, em que o Senhor se aproximou mais e mais de mim, e pude senti-lo como não O sentia há tempos. Entendi que havia um propósito claro e evidente para tudo aquilo, e dei graças ao bom Deus pelo que estava realizando em mim, para o meu aperfeiçoamento. 

A cirurgia, de grande porte, realizou-se na Sexta-feira da Paixão, 10 de Abril, e o nódulo não pode ser completamente retirado por causa da sua localização. Foram colhidas 5 amostras para análise; e quando fiquei sabendo da notícia, um certo abatimento me sobreveio. Novamente, o Senhor usou as pessoas ao meu redor para me animarem, e dois médicos em especial, do Hospital São Francisco, foram fundamentais: o Dr. Juan Soria e o Dr. Paulo Carvalho Goes, membros da equipe do Dr. Igor Michalick. 

Fiquei apenas 2 dias no C.T.I., indo para a enfermaria, mas tive a estadia prolongada por causa de uma infecção intestinal, que me debilitou bastante. 

Pois bem, após 15 dias de alta médica, ontem fui ao oncologista para saber o resultado da biopsia e o meu estado geral. E contra todos os prognósticos, suspeitas e afirmativas médicas, o nódulo era benigno, e não precisarei passar por nenhum outro procedimento. Terei consultas médicas a cada 3 meses, para acompanhamento. Mais uma vez, pude experimentar o amor de Cristo me envolvendo de maneira maravilhosa, inexplicável. Percebi que a bondade do Senhor se estendeu aos meus familiares e amigos e irmãos que estavam aflitos, agoniados, e puderam respirar aliviados, e agradecer a Deus pelo milagre e graça recebida. 

Quero agradecer a todos que oraram e pediram por minha cura e vida: sou-lhes eternamente devedor. Peço que continuem orando, pois ainda estou em convalescença, e para Deus extirpar o restante do nódulo que não pode ser retirado. Ele é o Deus único e verdadeiro, o Deus dos milagres e do impossível, e me rendo completamente ao Seu senhorio, sabendo que, em todas as minhas fraquezas, dúvidas e temores, Ele é a força, a certeza, esperança e o destemor com o qual me conduzirá na caminhada cristã, ou seja, no aperfeiçoamento, na obra de santificação, moldando-me à semelhança do Seu Amado Filho. 

Como o salmista escreveu: “O SENHOR é a minha luz e a minha salvação; a quem temerei? O Senhor é a força da minha vida; de quem me recearei?” (Salmos 27.1) 

Para terminar, gostaria de deixar um trecho das “Confissões”, de Santo Agostinho, que muito melhor do que eu, soube expressar o seu amor por Deus: 

“Tarde te amei, ó beleza tão antiga e tão nova! Tarde demais eu te amei! Eis que habitavas dentro de mim e eu te procurava do lado de fora! Eu, disforme, lançava-me sobre as belas formas das tuas criaturas. Estavas comigo, mas eu não estava contigo. Tinham-me longe de ti as tuas criaturas, que não existiriam se em ti não existissem. Tu me chamaste, e teu grito rompeu a minha surdez. Espargiste tua fragrância e, respirando-a, suspirei por ti. Eu te saboreei, e agora tenho fome e sede de ti. Tu me tocaste, e agora estou ardendo no desejo de tua paz” 

- Santo Agostinho, Confissões, livro X, 27, “Tarde te amei!...” - 


Cristo é a vida, mesmo na morte... E a vida venceu!

Glória somente a Deus!