01 setembro 2021

Tiros na Noite: Nenhum pela Culatra

 




Jorge F. Isah


O que esperar de uma compilação de contos de um ícone do gênero policial noir, sendo a maioria deles escritos para publicações baratas, as chamadas Pulp fiction[1], muito antes da fama?

Para ser sincero, foi uma surpresa positiva. Ao contrário de alguns que não veem mérito no processo de formação do escritor, tenho certo interesse por ler os primeiros trabalhos, aqueles raramente tidos como obras-primas ou relevantes (seja lá qual significado carregue) para, exatamente, descobrir, ainda que um pouco, a trajetória e caminhos pelos quais o autor atravessou. Dashiell Hammett não é o meu predileto do gênero. Gosto mais de Chandler, apesar de ter algumas ressalvas. Mas, dizer que ele não foi importante ou um mau escritor, vai uma diferença enorme. Considero, como já disse em outro lugar, O Falcão Maltês acima da média e, para mim, disparado o melhor livro de Hammett (mas suponho que este seja um ponto sem discordância entre a maioria dos seus leitores).

E “Tiros na Noite”[2]? Bem, são 20 contos escritos entre 1920 e 1930, publicados aqui e acolá em revistas populares, alguns muito bons, outros nem tanto. Mas os primórdios estão lá: o detetive durão, seco, que desconfia de tudo e de todos e não mede esforços para desvendar crimes e levar os autores à prisão. Diferente dos livros policiais clássicos, onde a linguagem mais sofisticada, personagens aristocratas, sutilezas e uma trama onde o protagonista é um mero coadjuvante, as histórias de Chandler, Goodis e Hammett colocam o “herói” (se podemos chamá-lo assim) no papel de proeminência no texto. Não sei se me fiz entender mas Agatha Christie, Edgar Wallace, George Simenon, entre outros, privilegiavam a trama, ou melhor, o crime em si, e desvendá-lo era mais importante do que criar personagens bem delineados e concebidos. Com isso, não digo inexistir marca ou valor nos protagonistas desses autores, apenas são mais conhecidos pela capacidade de elucidar dilemas do que exatamente por suas personalidades.

Ao contrário, os autores “noir” primam pela concepção do herói e a trama se ajustará ao caráter dele (não faço qualquer tipo de comparação aos talentos, no sentido de Chandler ser maior que Simenon, p.ex.; a diferença é estrutural). O enigma é importante, contudo, tão ou mais importante é o agente a desnudá-lo. Então, temos Spade ou Marlowe, homens comuns (mesmo em suas singularidades), obstinados, intransigentes em suas missões, dispostos às últimas consequências, mas muito mais próximos do cidadão com o qual trombamos todos os dias. A força dos seus caráteres, aliada à necessidade de comer, beber e pagar o aluguel, e o senso de “utilidade” pública, move a narração até o seu desfecho final. Nem sempre é a soma do intelecto, da razão, perspicácia ou engenho; as vezes são coincidências, fortuitas, ambíguas, obscuras. Os “tropeços” nas evidências e provas.

Pois assim são os contos deste volume. Um mundo onde o crime é crime, em sua vulgaridade, doença, crueldade, sem adornos ou disfarces, apenas a realidade nua a despojar-se diante do leitor. Quase ninguém está disposto a desempenhar um papel benigno ou satisfatório em suas relações pessoais. A maioria é covarde, bêbada, violenta, nociva, mesmo em suas superfícies de aparência indelével, de caráter nobre e virtuoso. Ainda que a alma humana não seja exposta em argúcia e lúcido propósito, o autor a apresenta em flashes, pegadas em terra dura, capazes de fornecer muitos traços e aspectos daqueles a marcá-la. Estão lá, para todos verem, e cada um meça a si mesmo pela régua de Hammett; não quanto à criminalidade mas a humanidade.

Como disse, há boas estórias e outras nem tanto. Nelas se vê, pela primeira vez, a aurora de Sam Spade, ainda anônimo, sem os holofotes a iluminá-lo no panteão dos heróis detetivescos, mas os sinais do brilho advir fazem-se notar. Encontramos os indícios do que Hammett viria a se tornar, nos anos seguintes, e de como a sua escrita impactaria e influenciaria a categoria por gerações.

É um livro a introduzir os não iniciados em “Noir” ou “Hammett”, e a perscrutar um dos principais modeladores do gênero. Com isso, não há como não indicar o livro, e esperar que o leitor encontre, como encontrei, as muitas faces do mal moldadas nas mais díspares figuras: gordas, altas, baixas, magras, homens, mulheres, gays, muita cobiça e devassidão, e um pouco, um tiquinho de decência e honradez, a mostrar que mesmo no pior dos mundos a Imago Dei não se extinguiu por completo.  Afinal, no homem se trava a maior de todas as lutas entre o bem e o mal, e nem sempre este vence; porque o sopro de vida, o vento a conceber a alma, não extingue.

 


[1]  Quanto ao título desta postagem, não resisti a tomá-lo na linha “Pulp”, estilo com o qual muitas das estórias criadas por Hammett se integraram.  

[2] “Tiros na Noite”, volume único, foi o que li. Existe nova edição da LP&M dividida em dois volumes.

________________________________

Avaliação: (***)

Título: Tiros na Noite - Volume ùnico

Autor: Dashiel Hammett

Páginas: 567 Páginas

Editora: LP&M

Sinopse: 

"Em Tiros na noite, o leitor encontrará reu­nidas vinte histórias de Hammett que permaneceram fora das livrarias nos quarenta anos após a morte do autor. São contos ambientados em um mundo corrupto, onde o crime organizado é rei e em que o ganho desonesto e paixões violentas regem as vidas humanas. Este primeiro volume é dominado pela figura de Con­tinental Op, um durão e taciturno detetive particular de San Francisco sempre cercado por vítimas, traidores e cadáveres, e dono de uma habilidade única para chegar à verdade das coisas.
O próprio Hammett dizia que sua ambição era elevar as histórias de mistério a grande arte. Tiros na noite comprova o absoluto sucesso do autor."


16 agosto 2021

A Doutrina Cristã - Santo Agostinho

 



Jorge F. Isah



Leio Santo Agostinho já há algum tempo, e muitas vezes não o compreendi adequadamente. Em especial, quando confrontava o “meu calvinismo” às afirmações equilibradas e bíblicas do bispo de Hipona. Demorou um tempo para eu entender que, mesmo Calvino, mesmo Lutero, Pink, Gill ou Clark, mesmo qualquer um que se considere a si mesmo fiel à tradição cristã, ou melhor, fiel ao Evangelho de Cristo, não existiria sem as reflexões, meditações e ensino de Agostinho. Veja bem, não estou a afirmar que eles não existiram, ou que não existiriam como existiram, mas de que haveria uma certa dificuldade para ser o que foram. Por isso, penso claramente que o mestre africano foi instrumento de Deus não somente na edificação desses homens, mas na de muitas e muitas gerações e multidões com os seus escritos.

Isso posto, não estou afirmando também concordar com tudo o que ele se propõe. Na verdade, não li nem 1/10 da sua vasta obra. Gastarei um bom tempo em fazê-lo, se assim o bom Senhor permitir. E tenciono fazê-lo, dada a riqueza espiritual e literária a emanar dos seus textos. O fato, contudo, de haver divergências em alguns pontos, não significa dizer que ele não deva ser lido, não preste, ou simplesmente não tem nada a ensinar. Esses, certamente, seriam erros indesculpáveis e do qual nenhum cristão ou leitor sairia ileso. Acima de tudo, Agostinho escreve como poucos. Chego a pensar que, entre os muitos autores lidos, ele é disparado o que mais admiro, seja pela maneira poética em que redige, seja por compreender aquilo ainda incompreendido, seja em explicar o inexplicável, a partir de uma comunhão íntima com o Espírito, de uma vida devotada a se deixar aperfeiçoar por esse relacionamento.

Entrando propriamente em “A Doutrina Cristã”, como o título pressupõe, ele disserta sobre os fundamentos da fé: a Trindade, o relacionamento com Deus, a salvação vicária e exclusiva de Cristo, as relações entre cristãos, o amor aos inimigos, etc. Terminada a leitura da obra, a profusão de temas e elementos remete-nos a uma exposição reverencial, paciente e devotada com o fim de esclarecer os princípios e enunciados do texto sagrado. Não há como não se apaixonar. E ainda descobrir como a nossa fé pode ser aprimorada e alcançar níveis de verdade aos quais não estávamos expostos.

Alguém pode dizer que estou a “idolatrar” o santo, mas nada mais longe da verdade. Reconhecer a sua capacidade de entender e interpretar as Escrituras de forma coerente, espiritual e reverente não significa idolatria, mas constatar o quanto o autor foi conduzido pelo Espírito de Cristo à compreensão, e o quanto o amor do Filho pode ser apreendido em suas linhas e nas entrelinhas. Pode existir, mas, além dos autores bíblicos, não conheço nenhum escritor que expresse tão nitidamente o seu amor pelo Pai, o Filho e o Espírito Santo. Por meio de uma beleza ímpar, outro dom concedido por Deus.

Todavia, entre tantos assuntos versados, dois me chamaram a atenção em especial. O primeiro, foi a ideia de Agostinho sobre o significado de “Pátria”. Não como um lugar onde habitaremos, o local em si, onde estaremos com Deus, o Paraíso ou Céu, mas de que Pátria tem, para ele, um sentido ainda mais amplo e veraz: pátria é o próprio Deus. Ou seja, não é apenas um lugar de destino, o destino para com quem estaremos por toda a eternidade. Nesse sentido, não é impossível dizer que, mesmo aqui neste mundo, ainda sobre os efeitos do pecado e em processo de transformação, podemos não somente almejar mas viver na “Pátria”, como se fosse celestial. Bastando o relacionamento intrínseco, verdadeiro e profuso com o Espírito de Deus. Ou seja, não iremos para a pátria, mas pelos méritos do próprio Deus, sendo pátria, já estamos inseridos e vivendo nela. Por isso a afirmação de sermos forasteiros, tanto nas Escrituras, como nos escritos de Agostinho, identificam que é possível estar neste mundo já estando no outro. Ou fazer deste, aquele. E gozar aquele, vivendo neste.

Não sei se deixei clara essa assertiva do bispo, espero que sim, mas o desdobramento dessa descoberta tem me trazido uma paz e um gozo antes não sentido, porque não entendido, ainda não havia penetrado no coração de maneira ampla e avassaladora.

Por falar em gozo, este é o segundo ponto a ser identificado. Para Santo Agostinho havia duas categorias de coisas: para fruir e usar. Não se deve fruir ou gozar das coisas que se usam. O gozo e alegria somente podem se direcionar a Deus exclusivamente (desculpe-me a redundância). E mesmo que gozemos de certas coisas do uso, elas jamais podem, ou devem, ser um fim em si mesmas, mas apontar para Aquele que é a fonte eterna e infinita do Bem. O homem sem Deus, sem a real consciência e conversão, põe sua alegria e consolo naquilo que deve estar a seu serviço, e não ao que deve servir. Inclusive, a si mesmo.

Nesse sentido, todas as coisas devem estar sujeitas a Deus, o doador final de todas elas, e por quem nos são entregues, para o bom uso, mas para que, sobretudo, nos alegremos no Senhor. Por isso, o sexo, o dinheiro, o trabalho, a diversão e tudo o mais que o homem almeja, não pode ser a fonte da alegria em si, mas entendê-las como bem-aventuranças, dádivas que nos são destinadas para atingirmos a plenitude do gozo, somente possível nEle. Ainda que nos tragam alegria, estão a apontar, direcionando-nos, para a fonte da verdadeira alegria, Aquele que tudo criou para manifestar a sua bondade, e fruirmos nEle. E assim, usando essas coisas, alcançamos o gozo e a alegria em Deus.

Outro aspecto importante é que, ao reconhecermos a suficiência apenas em Deus, temos mais dEle e crescemos em ser. Não em ser o que somos ou o que fomos, mas naquilo que seremos: a exata imagem de Cristo. É óbvio que Agostinho, e nem eu, está a falar quanto à divindade do Filho, mas quanto à sua perfeita e santa humanidade. E assim, gozando nEle seremos cada vez mais dEle e com Ele, e com Ele identificados seremos um: Senhor e servos em unidade.

Há uma gama de elementos apontados por Santo Agostinho neste livro, mas, em especial, chamou-me a atenção os pontos que abordei, que mais me impregnaram a alma até o momento, e me fizeram agradecer a Deus pela sua vida, e por desfrutar da sua sabedoria, vinda dos céus; e mesmo depois de quase dois mil anos é possível a qualquer um se deleitar nos seus ensinamentos, mas mais do que isso, aprender a viver em Deus e para Ele, assim como o mestre viveu.


__________________________________ 


Avaliação: (****)

Título: A Doutrina Cristã

Autor: Santo Agostinho

Páginas: 288

Editora: Paulus

Sinopse: 

"Esta obra é a carta magna de Santo Agostinho sobre a maneira de entender e pregar a Sagrada Escritura. Nela podemos sentir o imenso amor e conhecimento profundo de Agostinho pela Bíblia. De fato, ele deixou-se impregnar por ela, tornou-a "seu sangue, a medula de seus ossos". Ninguém como ele explorou tão a fundo e com tanto empenho e sutileza os profundos e obscuros recônditos da Bíblia, e nunca houve alguém que trouxesse de suas explorações tal abundância de preciosos achados. A doutrina cristã é um manual de exegese e formação cultural com finalidade didática e pastoral dirigido aos cristãos de sua época. As diretivas dada pelo zelo pastoral do Bispo de Hipona são originais e penetrantes, válidas ainda, em grande parte, para nosso tempo, tão ávido de estudos exegéticos e hermenêuticos"

05 agosto 2021

Somos Todos Iguais - Resenha

 

Jorge F. Isah


Em um mundo cheio de barreiras, a verdade é que somos todos iguais, mesmo com diferenças sociais, culturais, étnicas etc. Mas nada disso pode nos tornar mais ou menos humanos; apenas humanos na essência, e diferentes quanto as coisas gerais. Tanto se fala em amor como nunca antes se falou, mas boa parte desse amor foi ideologizado, se tornando nada mais do que uma peça publicitária para o discurso e a retórica por trás de um sistema de ideias.

O próprio filme, num letreiro no refeitório, reproduz parcialmente os escritos do Apóstolo Paulo sobre o amor:


“E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria. O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca falha” (1 Coríntios 13:3-8)

E esta é a proposta do filme, falar do amor incondicional, colocar o próximo acima de si mesmo, dos seus obstáculos, e tratá-lo como superior a si mesmo; é abrir mão de fazer ou ser o que se quer para cuidar do outro; em suma, o amor é a única “afirmação” de que a humanidade precisa, o real e verdadeiro "empoderamento" humano; pois o restante é legitimar manobras e programas e interesses nada amorosos.

Com ótimas interpretações, um roteiro emocionante sem ser piegas, o filme é recomendado a todos aqueles que não somente queiram acender uma tocha (a luz, não a destruição), mas mantê-la acesa.

Disponível no NetFlix.



27 julho 2021

O Som e a Fúria - William Faulkner

 



Jorge F. Isah


Este é um livro que requer muito cuidado do leitor, que pode se perder em meio a uma narrativa não linear, cheia de digressões, mudanças de ambiente, atmosfera e protagonismo. Não é um livro fácil, pelo contrário, especialmente em sua metade inicial, quando ainda se tateia o texto em busca de contato com seus elementos e fundamentos. O autor se utiliza também de longos trechos sem pontuação, frases truncadas, linhas contínuas, ajudando a criar uma imagem “hermética” e complexa da obra. 

A história se divide em quatro partes, cada uma delas contada por um dos personagens centrais, exceção à última, cujo narrador é uma terceira pessoa, indeterminada. A primeira parte é narrada por Benjamim. A segunda, Quentin. A terceira, Jason. E a quarta, que trata diretamente da personagem Dilsey, por um desconhecido.

Basicamente, trata-se de uma família decadente sulista, que perdeu os seus dias de glória, em que controlava a região; e se vê exaurir financeira, moral e espiritualmente. Em meio às tradições e as mudanças advindas do novo século (XX), a maioria está despreparada para enfrentar as contingências e surpresas em que os novos tempos as arrastam.

Ganância, sexo, filhos ilegítimos, cobiça, incesto, furto, parecem, de alguma maneira, fazer dos “Compsons” o retrato de uma sociedade que caminha arrastada pelas correntes e o peso do passado.  O mal e o pecado apresentam-se definitivamente dispostos a conter qualquer resistência; nem mesmo as eventuais "aparências", a hipocrisia arraigada na alma de alguns, torna-se o desejo corrompido, doente e frágil, capaz de destruir e amaldiçoar as relações e indivíduos.

Há quem veja apenas uma sociedade altamente religiosa, puritana, inquisidora, retrógada a aniquilar vidas, o que é por demais reducionista. Contudo, seria tão somente a sociedade a fazê-lo, ou seriam consequências das escolhas pessoais? A rebelião da alma em êxtase, o relacionamento mecanicista e formal com Deus, a busca do amor no afastamento do verdadeiro amor, como se o homem, por si só, pudesse, ao exemplo de Adão, ser autossuficiente em si mesmo, desprezar o Bem, e sair incólume.

No fundo, o mal tem como premissa a negação não somente do bem, mas a origem do bem, entregando-se ao ardor da carne, leviana e obstinadamente.

Alguém poderá dizer que estou a replicar os erros que Faulkner aponta; mas, entrementes, ele está a desnudar o desejo, seja ele qual for, irresponsável em não reconhecer a sua legitimidade no amor. Sem este, qualquer desejo, por mais nobre ou elevado seja, é como o sino que não dobra ou o fogo que não aquece...

E a liberdade, tão propalada e banalizada nas bocas e mentes, surge como apenas outra forma de o homem descer às profundezas do calabouço não desejado, mas impossível de se safar, porque a luz que se acredita ver, está obliterada pelas trevas que se teima em não ver.  

Mas não somente a perfídia destilam as páginas; existe bondade, uma bondade ingênua, um tanto perigosa, as vezes confusa, de Benjamim, de Dilsey, de Caroline (a matriarca). E deles são os maiores sacrifícios, a verdadeira entrega, e aquele clamor à paz, ainda que não seja vislumbrada, pela proximidade das querelas e litígios, a assomá-los por todos os lados.

“O Som e a Fúria”, como toda a obra de Faulkner, é um livro imprescindível, daqueles clássicos que o tempo não apagará. E nele encontraremos o homem, sobretudo o homem que amamos e odiamos.


_____________________________ 

Avaliação: (****)

Título: O Som e a Fúria

Autor: William Faulkner

Páginas: 320

Editora: Cosac & Naify

Sinopse: "Este romance, finalizado em 1929, marca o início da chamada "segunda fase" da carreira de William Faulkner (1897-1962) e é considerado sua obra mais importante. Vinte anos depois, o autor se consagraria definitivamente, ao receber o Prêmio Nobel de Literatura. O ambiente da escritura de Faulkner é o sul dos Estados Unidos, escravocrata e derrotado na Guerra da Secessão. O som e a fúria narra a agonia de uma família da velha aristocracia sulista, os Compson, entre os dias 2 de julho de 1910 e 8 de abril de 1928. Um apêndice, acrescentado pelo escritor em 1946, fornece outras informações sobre a história dos Compson entre 1699 e 1945. Assim, é possível afirmar que o grande personagem desta obra-prima é o tempo, o que lhe confere interesse universal."




18 junho 2021

Trecho do Prólogo de Bartolomeu Salgado ao livro "A Viga Oca Sob o Teto"

 







Trecho do Prólogo de Bartolomeu Salgado ao livro 

"A Viga Oca Sob o Teto"



            “A Viga Oca...” tem uma suavidade e elegância distantes do antecessor; um esmero linguístico quase impossível de se ver na literatura, abandonada ao imediatismo e aos clichês de maneira geral. Cheio de reminiscências e diálogos atemporais, ao percorrer o livro encontramos um “fervor cósmico”, quero dizer, não somente dos antepassados e figuras a transporem a vida da protagonista e outros personagens; não apenas das imagens líricas, bucólicas de um passado a assomar da memória, exigindo um lugar marcante no presente, pois o passado é quase eterno; uma carga a tornar o que foi em ser; fazer o “existiu” reviver quantas vezes o grito interior de despertá-lo do sono; não só os conflitos, as amálgamas a cruzar almas; nem infortúnios ou vergonha; fatos ou mistérios; vida e morte; em que a palavra não é furtiva, nem escorregadia, ao assombro do sinal divino. Paira sobre as páginas o sobrenatural, o fantástico (especialmente no último terço), onde nem tudo pode ser explicado; porém, não pode também ser negado ou feito indiferente, sob pena de o homem ser desprovido de espírito, e ao mal produzido se juntar o mal não desejado, ou o mal agir por negligência. (...)

            “A Viga Oca Sob o Teto” é um livro admirável, pela sua linguagem não vulgar, pelo destemor de não cometer excessos, por não se deixar capturar à forma ou à carcaça de um modelo ou estrutura; por ser autoral sem as amarras de se fazer parecer inédito (muitas vezes, sinônimo de anômalo e estapafúrdio); reflexivo sem aborrecer. Por tudo isso, e atendendo aos anseios do autor em não produzir um prólogo que seja o resumo da história, espero ter aguçado o seu desejo de adentrar a estas páginas e aventurar-se pelo mundo (des)conhecido de Jorge F. Isah. O qual ele criou meticulosamente alinhavado por uma teia que certamente o capturará até o final, belo, profundo e acessível como todo fim deveria ser.


À venda em amazon.com.br 




15 junho 2021

Trecho do prefácio de Leandro R. de Souza ao livro "A Viga Oca Sob o Teto"

 






Trecho do prefácio de Leandro R. de Souza ao livro 

"A Viga Oca Sob o Teto"


           "Ao ler as páginas, os conflitos familiares, as dores vividas, os questionamentos em cada parágrafo, é nítido que você verá um pouco de si em cada uma delas. Talvez do vizinho, amigo, parente, aquele colega distante, ou até a pessoa não afetuosa, que trará à sua memória os dilemas humanos.     
            Se sofreu um pouco de rejeição, ou rejeitou a outrem. Se pensou a si mesmo como o defensor dos pobres, ou rejeitou a alguém. Se viu um morto com indiferença, ou sentiu medo da própria morte, pode sentir-se confortável em se assentar nas poltronas da viagem de trem, aquela vagarosa, por cujas histórias ele, Jorge, o conduzirá.   
            Se a viga está oca, o teto sucumbe. As relações modernas e frágeis estão aí implícitas, para que o leitor faça uma reflexão de si e veja as fragilidades nas relações humanas. Não perca esta oportunidade!       
            Seria muito comparar ao mestre das letras Dostoievski, mas há um pouco do estilo dele aqui. Se o autor negar, pode bater-lhe na face, pois ele estará a mentir (risos).      
            Espero que cada um seja induzido à reflexão e, principalmente, à percepção de que, em cada situação, o humano perde muito de si ao não olhar para o alto, o Criador."



 ____________



À venda em amazon.com.br



07 junho 2021

Lançamento: "A Viga Oca Sob o Teto"

 


        Em 15 de Junho, a Kálamos Editora lançará um novo livro. Chama-se "A Viga Oca Sob o Teto", e estará disponível na amazon.com.br

        Será disponibilizado em formato ebook e físico. 

        Nos próximos dias, darei mais detalhes da presente edição. Por hora, fique com um dos vídeos promocionais, ainda inédito em outras redes sociais: 





15 março 2021

Um pouco sobre o cristão, políticas sociais e salvação

 




Jorge F. Isah


    Li o seguinte comentário no facebook, cuja autoria foi apontada ao Ariovaldo Ramos (não há indicação da fonte; mas, como foi um comentário elogioso, não vejo motivos para duvidar da autoria. Entretanto, esquivar-me-ei de aludir ao seu nome como arquiteto do comentário, a fim de não fazer-lhe injustiça, caso não seja o seu mentor. O chamarei apenas de "Ideólogo").
    Farei um pequeno comentário ao final do texto copiado:
    Mateus 25.31-40:  O grande julgamento

    "Quando vier o Filho do Homem na sua majestade e todos os anjos com ele, então, se assentará no trono da sua glória; e todas as nações serão reunidas em sua presença, e ele separará uns dos outros, como o pastor separa dos cabritos as ovelhas; e porá as ovelhas à sua direita, mas os cabritos, à esquerda; então, dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo. Porque tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me hospedastes; estava nu, e me vestistes; enfermo, e me visitastes; preso, e fostes ver-me. Então, perguntarão os justos: Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer? Ou com sede e te demos de beber? E quando te vimos forasteiro e te hospedamos? Ou nu e te vestimos? E quando te vimos enfermo ou preso e te fomos visitar? O Rei, respondendo, lhes dirá: Em verdade vos afirmo que, sempre que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes."
    Agora, o Ideólogo interpreta a exortação do Senhor Jesus à "luz" de Marx:
    "Somos salvos pela graça, logo, esse texto não se enquadra na perspectiva da salvação pessoal. Este texto é sobre o juízo das nações.
    O Senhor Jesus julgará as nações, e o critério será o que chamamos de políticas públicas.
    Será acolhida a nação que tiver desenvolvido políticas de socorro aos mais vulneráveis.
    As demandas divinas exigem contrapartida: tive fome - política de segurança alimentar; tive sede - política de saneamento; era forasteiro - política de direitos humanos; estava nu - política de moradia, transporte e educação; enfermo - política de saúde; preso - política penitenciária.
    O Senhor Jesus está atento aos movimentos em relação aos mais necessitados.
    Há uma demanda de Jesus por políticas que diminuam a desigualdade social, e que promovam um tratamento justo, e que promova recuperação do ser humano, inclusive aos que estão em estado prisional.
    Em tempo de voto, estes são elementos a serem levados em conta, diante da urna indevassável" (grifo em amarelo para acentuar o comentário do Ideólogo) .
    Bem, não me assusta tal discurso, demonstrando uma completa ignorância bíblica, na qual o Ideólogo distorce o Texto Sagrado para enquadrá-lo ideologicamente em suas convicções pessoais (algo que Pedro condenou como "particular interpretação"¹).
     Cristo está a falar de amor e piedade individuais, de cada crente para com o seu próximo, assim como ele também ensina na parábola do Bom Samaritano; mas o Ideólogo consegue colocar palavras na boca do Senhor que jamais disse, a favor de "políticas sociais" patrocinadas pelo estado (se não é essa a sua intenção, por que aludir ao julgamento de nações, como se o Brasil ou EUA ou Cuba pudessem ir para o Inferno; e ao "voto" em época de eleição?). Novamente, a mente marxista (e que nada tem de Cristo) remete a responsabilidade individual do cristão ao estado (um deus?!!), transferindo algo inalienável e sem o direito de fazê-lo a um terceiro que não é cristão nem pode sê-lo, não tem vontade própria nem pode tê-la.
    Outro aspecto a ser notado é que o Senhor Jesus está a falar de salvação, sim. Por "ovelhas" temos não um arranjo social/governamental/político ou algo que o valha. Por "ovelhas" temos aquelas pelas quais o sumo Pastor juntou para Si, pela sua morte expiatória e redentora na cruz. "Ovelhas" jamais podem ser nações, ongs, partidos políticos, embaixadas, cortes, parlamentos ou qualquer outra invenção humana. Assim como, por cabritos, está a falar daqueles pelos quais não morreu na cruz, nem levou sobre Si os pecados desses, e jamais teve o objetivo de ajuntá-los.
    Outrossim, o bem em ajudar o próximo é prerrogativa das "ovelhas", pois são as únicas capazes de cumprir adequadamente (em fé, propósito e meios necessários) a vontade de Deus. Cujo fim sempre é a glória do próprio Deus. O que sabem disso nações, estados, congressos ou repartições governamentais? Já que são eles, em sua maioria, os proponentes de mortes, miséria, torturas e injustiças? Muitas com a alegada falsa piedade de fazer justiça?². Mas ainda assim, não são as repartições e órgãos a serem responsabilizados, pois não haverá nações e países no Tribunal de Cristo, nos últimos dias. Serão os homens condenados pelo que fizeram ou deixaram de fazer, não como causa, mas consequência do desprezo e pouco caso com a obra redentora do nosso Senhor. Ou seja, em última instância, homens e mulheres sem a fé salvadora, e que jamais creram em Jesus como único e suficiente Salvador e Senhor. E o juízo, por mais que possa ser coletivo, no sentido de multidões serem lançadas no inferno ou mesmo sujeitas às desgraças mundanas, é sempre individual, mesmo estando muitas delas juntas ou agrupadas. Não serão as ações estatais, corporativas ou legais a salvar o homem do juízo vindouro; o estado apenas pode empurrá-lo um pouco mais para dentro do fogo.
   Então, mesmo o Ideólogo tentando, de todas as maneiras, fazer malabarismo e distorcendo vergonhosamente as palavras de Cristo, a ideia de justiça social nada mais é do que uma construção humana bem moderna, diga-se, e nada tem a ver com o Evangelho e a missão de resgatar vidas. Em outras palavras, o Ideólogo está estabelecendo dois tipos de salvação; equivalente a dois tipos de redenção; dois tipos de sacrifícios; indicando haver dois tipos de salvadores, cuja eficiência, se não é a mesma em termos sobrenaturais, é em termos práticos: absolver as pessoas da ira divina através de ações e justiça social, seja lá o que isso represente na mente confusa de pastores impregnados por ideologias, e que nada tem a ver com piedade, perdão e misericórdia, no fim das contas. É, quase sempre discurso para "boi dormir"; e fazer os adeptos dessa diabólica teologia presas da própria presunção, orgulho e pedantismo.
     A própria igreja institucional, cuja missão é reunir os crentes para realizar o obra de Deus, não pode salvar, muito menos aplacar a ira sobre aquele que, mesmo sendo membro local, não é eleito, não foi regenerado nem salvo, mas permanece morto em seus delitos e pecados, porque nunca teve o encontro pessoal com Cristo. Portanto, resta condenar a mentira descarada do Ideólogo, condenável em todos os aspectos, digno de ser colocado no rol dos falsos-mestres, daqueles que, caso Deus não os converta das trevas à luz, serão alvos da sua santa e justa ira, sem que possam apelar para o estado e seus pares, incapazes de lhe dar qualquer escudo ou proteção.
    
Notas: 1- II Pedro 1:20;
2-"Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te." (2Tm 3.5)
Curtir
Comentar


15 fevereiro 2021

Deus é Vermelho: o Evangelho sem cor

 




Jorge F. Isah


O autor não é cristão. Está mais interessado no movimento de resistência ao comunismo na China do que propriamente com o Cristianismo, ainda que o Cristianismo tenha-lhe chamado a atenção como um "movimento de resistência". Ou seja, seus interesses são muito mais voltados para a política, sociologia e antropologia [e até mesmo a história do Cristianismo na China] do que o Cristianismo como a única fé bíblica. E isso é normal, pois qual interesse um descrente envolvido com a revolução à contrarrevolução teria com o Cristianismo?

Ainda que ele chame pastores, missionários e líderes cristãos de "ativistas" [um claro exemplo de como a mente revolucionária funciona], ele se permite relatar as declarações de fé que deveriam mover o cristão: Jesus Cristo como Senhor e Salvador do homem. São poucos esses momentos, tenho de convir, mas eles existem; e alguns são realmente tocantes, revelando o amor à verdade e a entrega em proclamá-la, mesmo com o risco de prisão e morte.

Ele se atém mais à questão do Cristianismo como movimento histórico que sobreviveu aos tempos de chumbo do governo Maoísta, mesmo diante da expropriação dos bens das igrejas, a perseguição aos cristãos professos, prisões, morte, tortura, e tudo o mais que envolve um regime totalitário onde o estado e o seu líder máximo são considerados "deuses", cultuados e venerados como se o fossem.

A revolução cultural de Mao foi apenas isso: uma tentativa de tornar todos os chineses em um só corpo e mente [o corpo rotundo de Mao, e a mente patológica do “estado chinês”], mas eles mesmos perceberam que a força não era capaz de destruir a fé do povo [ainda que a maioria campeou e se iludiu com os clichês revolucionários dos vermelhos]; por isso, criou-se uma igreja oficial e estatal, em que as regras eram ditadas pelo Partido Comunista, numa forma um pouco menos explícita de se corromper a alma, ainda que mantendo-se o mesmo objetivo.

Ele parece não entender como uma religião que chegou ao país há pouco mais de um século, que não tinha raízes na cultura milenar chinesa, sobreviveu a todas as tentativas de erradicação.

A criação de uma religião nacional e estatal, aos moldes da religião oficial do Nazismo, no III Reich¹, onde os cristãos eram obrigados a renegarem a sua fé em favor da fé no estado chinês, parecia resultar na destruição de qualquer influência cristã no império do centro. Mas, para a surpresa de muitos, e do próprio autor, ele encontrou uma igreja perseguida, à margem da sociedade, escondida em lares e cavernas, que floresceu e vem crescendo em meio ao maior país ateísta do mundo, ao menos em termos geográficos.

Sabemos que o Cristianismo vai muito além de "fenômenos" sociais e antropológicos, pois ele é fruto da ação sobrenatural e direta do próprio Deus. Liao não entende isso, e parece não se importar com isso. A descrição de prodígios é escassa, e o autor não parece se interessar muito por eles; os relatos, até aqui, do mover de Deus no meio do povo ocorrem na forma de uns poucos milagres que são narrados com nítida descrença.

Ele tenta relacionar o Cristianismo com outros movimentos religiosos que se opõem à igreja oficial chinesa, como se fossem quase a mesma coisa, diferindo apenas no tipo de "Deus" que cada um cultua, e na forma em que se rebelam. Mas há relatos comoventes de cristãos que foram perseguidos, presos, torturados e mortos pelo regime mais assassino do mundo em todos os tempos.

E, de certa forma, fico pensando que raios de cristãos são os que defendem a conciliação entre marxismo e o Cristianismo². É algo impossível e inimaginável para qualquer cristão que não se ilude com a mentira e falácia de que o marxismo é inofensivo. Por mais que a evidência históricas comprovem as atrocidades, perseguições, execuções e a tentativa de destruição da fé, alguns de nós não querem ver, ou teimam não ver, o quão maligno e anticristão são os fundamentos, e premissas, marxistas. De forma que o ateísmo somente pode ser substituído pela religião do estado, onde líderes são cultuados, venerados, como entes sobrenaturais, enquanto fazem apenas apontar para aquilo de mais depravado existe em seus íntimos desejos.

Liao escreveu um livro de leitura fácil, agradável, e que, a despeito de não tocar nos pontos em que mais nos interessam, a perseverança na fé cristã mesmo diante da mais virulenta e sangrenta perseguição, não deixam de ser relatos que fazem dos entrevistados testemunhas de Cristo, e de que o Evangelho continua a ser proclamado, a subsistir não pela força humana, mas pelo poder do Espírito.

Em princípio, penso que a leitura deste livro é o suficiente para que os cristãos verdadeiros fujam de qualquer aliança com o marxismo, ainda que seja apenas por simpatia, pois, como Paulo diz, que união há entre luz e trevas? Entre Cristo e Belial? A questão é, sem querer demonizá-lo, de o marxismo ser fruto do desejo de aniquilar qualquer traço divino na Criação, e qualquer traço divino no homem, feito à imagem de Deus. Para isso, há de se controlar não somente o corpo e alma mas também o espírito humano. E se isso não é diabólico em sua proposição, nada mais o é.  

Contudo, há de se fazer justiça ao autor, Liao Yiwu, o que equivale dizer que a minha crítica inicial foi parcialmente injusta, após refletir um pouco mais em pontos e narrativas que sucumbiram à minha própria avaliação. Ainda que a sua atenção esteja voltada para o Cristianismo como movimento contrarrevolucionário na China, ele abre espaço para o testemunho pessoal e de fé, com relatos de conversão, de mudança de vida e propósitos, bem diferente do ufanismo e triunfalismo atual, especialmente presente na teologia da prosperidade e no neopentecostalismo. Nesse aspecto, ele construiu um relato, se não totalmente fiel à igreja chinesa, ao menos não omitiu a marca mais evidente da fé cristã: a transformação do homem, de criatura a filho de Deus, de pecador a santo, de escravo a liberto, de perverso a amoroso.

Relatos como o do Dr. Sun que foi um dos mais renomados e influentes médicos chineses, e que abandonou todo o "status" que a sua profissão poderia lhe dar [como dinheiro, poder, etc] para se arriscar à ajuda humanitária nos grotões chineses [a quem poderíamos chamar de um "médico ambulante" ou itinerante], onde não havia serviços públicos e o povo vivia em miséria absoluta, proclamando o Evangelho de Cristo, é de fazer qualquer um de nós, cristãos ocidentais, queimar de vergonha.

Outro relato contundente e pungente é o do filho do mártir cristão, o pr. Wang Zhiming, condenado unicamente por sua fé em Cristo, à qual teve a oportunidade de renegar por diversas vezes, e se manteve firme, assim com sua família, que assistiu à brutal e injusta execução de um inocente. Curiosamente, mais de uma década depois da morte do pr. Zhiming, ele foi inocentado pelo próprio governo que o assassinou.

Por essas e outras exposições, "Deus é vermelho"³ faz-se necessário, mesmo para aqueles que estão acostumados com o "modus operandi" esquerdista. Nossa fé, de certa forma, é colocada à prova diante dos testemunhos inimagináveis dos verdadeiros e fiéis servos de Cristo que, perseguidos, humilhados, execrados e, muitas vezes, mortos, permanecem firmes na Rocha, recusando-se a negar aquele que os amou eternamente, e se fez maldição para que o seu povo fosse bendito.

***

Notas: 1- As similaridades entre Comunismo e Nazismo não param aí, no endeusamento dos seus líderes, que assumem um caráter "messiânico", de salvadores da nação e do povo. Existem outras tantas semelhanças que os tornam quase gêmeos; esta porém, o culto ao líder, é o elemento "religioso" a uni-las.

2- É um movimento crescente na igreja reformada, especificamente entre os proponentes da TMI e outras vertentes liberais.

3- Na verdade, Deus não é vermelho. O autor quis afirmar algo impensável até mesmo para o adepto mais pessimista do comunismo, e até para o fiel mais otimista entre os cristãos, de que Deus não abandonou o seu povo sob a égide marxista na China (a alusão à cor dos símbolos da esquerda é evidente). Nesse sentido, Deus é sim, vermelho. 

4- O livro encontra-se esgotado até mesmo em sebos. Não consegui uma única cópia, mesmo fazendo uma pesquisa detalhada na web. Normalmente não indico baixar ebooks gratuitos, a não ser livros em domínio público. Neste caso, contudo, deixarei o link de uma página que disponibiliza o exemplar em epub, pdf ou mobi: Lê Livros


___________________________________________ 

Avaliação: (***)

Título: Deus é Vermelho

Autor: Liao Yiwu

Editora: Mundo Cristão (esgotado)

No. Páginas: 240

Sinopse: "Na China comunista, sob o regime de Mao Tsé-tung, todas as práticas religiosas foram banidas. O comunismo tornou-se a religião nacional e Mao foi entronizado, deificado e adorado. Apenas a igreja oficial era permitida, mas em seus cultos, apenas palavras de honra e louvor ao regime e ao líder Mao. Mas debaixo de tanta opressão, a semente do cristianismo brotou e floresceu. Deus é vermelho percorre pequenos vilarejos e grandes cidades, trazendo narrativas emocionantes e assombrosas sobre dezenas de milhões de cristãos chineses que vivem a fé debaixo do duro regime socialista. Indo de casa em casa, reunindo-se porões e sótãos, vivendo à margem da religião oficial do Estado, assim caminham os cristãos chineses. Correndo perigo de prisão, castigos e até morte, assim vivem os que desafiam o regime para manter e cultivar a fé em Jesus Cristo. Conversas sussurradas, códigos cifrados, bíblias e material evangelístico contrabandeados, assim o evangelho é pregado cotidianamente. Deus é vermelho é o relato tocante e desafiador de uma Igreja viva que cresce e floresce no regime mais fechado do planeta. Liao Yiwu traz nesta obra uma perspectiva nova sobre a força e a importância do Evangelho para pessoas simples e abnegadas, mas que morrerão sem negar o Autor de sua fé. Escritor chinês censurado na China e exilado na Alemanha, onde vive desde que conseguiu fugir do regime, Liao Yiwu escreveu este livro para nos revelar uma China diferente, com uma Igreja cristã pujante e vigorosa. O autor do poema Massacre, que lhe custou anos de cadeia, nos conta a história secreta de como o cristianismo sobreviveu e floresceu na China comunista."




08 fevereiro 2021

As Mortes e Vidas de Mattia Pascal

 




Jorge F. Isah


Este romance estava no aguardo de uma brecha em minhas leituras já há algum tempo. Para ser sincero, comprei o livro há uns cinco anos, mas somente agora, em meio a Santo Agostinho, Murilo Rubião, Santo Atanásio e J.M. Coetzee, pude me debruçar sobre o volume. E qual não foi a minha surpresa com o tom farsesco, cínico e debochado da narrativa de Pirandello? Humor refinado e reflexivo, permeado por uma escrita ágil, límpida e agradável, que me fez concluir a leitura em menos de três dias.

Mas, de que se trata? Bem, não farei uma sinopse ou resumo, pois sabe que não é minha maneira de resenhar qualquer leitura. Existem, contudo, algumas perguntas que podemos fazer:

1)      É possível deixar de ser quem se é? E transformar-se em outra pessoa?

2)      Quais as implicações em assumir outra identidade?

3)      Qual o custo para se construir uma nova história de vida e caráter?

4)      Por que se quer abandonar uma vida/identidade e assumir outra?

5)      O fracasso é individual? Ou pode ser colocado na conta de outro?

Essas são algumas perguntas que o autor se dispõe a responder (sem necessariamente respondê-las), com uma porção de ironia e troça que transforma o protagonista em motivo de boas risadas, em meio as análises e impressões de sua conduta como fugitivo de si mesmo. Não é um livro escrachado, pelo contrário. A escrita de Luigi é elaborada, afiada, esmerada, mesmo diante da aparência de simplicidade, e atinge em cheio os objetivos propostos: o questionamento moral, ético e filosófico do que é a vida, a individualidade e sociabilidade.  Em alguns momentos, ela resvala no estilo folhetinesco, sem contudo adentrá-lo. É um namoro que não se concretiza.

A partir da futilidade e indolência com que trata a própria vida e as relações sociais, Mattia se vê na encruzilhada de assumir a culpa ou reputá-la a outrem, no caso, a sogra e o casamento. A ruína financeira, a mediocridade intelectual, a perda do estilo de vida hedonista, e a busca pelo sustento, são fatores com os quais ele não pode conviver. Para um jovem capaz de liquidar o patrimônio familiar com vulgaridades e desperdício, ociosa e levianamente, o trabalho era um dos piores dos seus temores. E o assédio de credores, e as ininterruptas censuras da sogra, tornava tudo ainda mais insuportável e claustrofóbico. A vida lhe era uma prisão, de forma a não ver qualquer possibilidade de se libertar.

Entretanto, em um golpe de sorte, Mattia recebe uma grande soma, uma fortuna capaz de dispensar-lhe uma existência tranquila, sem excesso de conforto, mas capaz de conservá-lo distante do trabalho e responsabilidades. Para isso, seria necessário abdicar da antiga vida, fugir e esconder-se em outra personalidade. Em nova reviravolta, é dado como morto, facilitando, e acelerando, os planos da nova estratégia: abandonar quem era para tornar-se em quem quisesse. Não é esse o desejo da maioria? Mesmo que apenas em algum momento da vida? Não nos escondemos nas histórias alheias para sonhar um novo roteiro existencial? Não é este o papel dos livros, filmes, novelas? Criar um mundo virtual ao qual nos apegar? E assim arrastar-nos, com algum frescor, no curso própria da vida?

 Na verdade, a fuga de Pascal é interior, muito mais do que qualquer fator exterior possa representar. Ao pensar nos seus problemas como oriundos dos credores, da fortuna dilapidada, do casamento corriqueiro, da esposa controlada pela sogra, ele preservava a si mesmo de qualquer responsabilidade e dever de mudança. Para isso, nada melhor do que deixar “morrer” o velho Pascal, e das suas cinzas nascer o Meis, certo?... Talvez. Por que o novo homem seria mesmo novo? E não incorreria nos velhos erros e vacilos do velho homem? Haveria nele a capacidade de levar até o limite a sua nova figura? E manter intocada a nova reputação? Ou tudo estaria, como antes, sob a ameaça do seu caráter sucumbir à vontade? E desta não ser suficiente para encobrir aquela?

Em uma reviravolta na reviravolta, Meis se vê acuado; e a solução é outra senão ... a morte! Matar o novo homem para que o velho sobreviva, reviva. Porque o novo se mostrou tão ou mais insuficiente e medíocre do que o antigo. E, se no fim das contas, viver a fantasia ou o sonho de uma nova vida se mostrou ineficiente e aflitiva, o retorno à personalidade original, com todos os elementos de uma história real, ainda que inexpressiva, se configurou em única saída. Talvez não seja possível apagar ou destruir aquilo que se é ou se fez; e entre o sonho e a realidade, encarar a segunda seja um passo para o amadurecimento, alívio e antídoto para a mentira.

Pois, nem mesmo a paixão pela sóbria, frágil e doce Adriana foi suficiente para adequá-lo à nova vida, e fazer de Meis um vivo entre tantos mortos. De alguma maneira, o bem que Adriana merecia era-lhe impossível dá-lo, então, por que subsistir a farsa se ele mesmo não se convencia do seu sucesso? Melhor era reviver o morto e torná-lo vivo entre tantos outros, vivos e mortos; e não fugir como um cão do que fora, e ainda era, e de quem não podia se desvencilhar.

O fato é que nem mesmo uma ou outra vida foram capazes de satisfazer e trazer paz ao angustiante e atribulado Mattia, que feito novo, preferiu mesmo as agruras do velho, em meio às estripulias de um sátiro.

Este livro, certamente, aguçou-me a conhecer melhor a obra de Pirandello. E espero, com a graça de Deus, fazê-lo!


____________________________________________ 

Avaliação: (***)

Título: O Falecido Mattia Pascal

Autor: Luigi Pirandello

No. Páginas: 320

Editora: Abril Cultural

Sinopse: "Maldito seja Copérnico!”. Assim o personagem Mattia Pascal resume e define o sentimento de irremediável solidão do ser humano quando toma consciência de si mesmo e da sua pequenez diante do universo. Obra-prima de humor peculiar, O falecido Mattia Pascal (1904) é o mais célebre romance de Luigi Pirandello (1867-1936), no qual o autor, ao abandonar definitivamente os esquemas narrativos tradicionais, denuncia a miséria das relações humanas e a angústia existencial que acompanha o início do século XX. Mattia Pascal é um homem que, por uma maquinação do acaso, vê a possibilidade de assumir uma nova vida, fugindo de uma existência medíocre e humilhante. Nessa nova vida, ele é outra vez envolvido pelas convenções e regras das quais tentou escapar. No retorno à sua cidade natal, descobre-se enredado em uma situação paradoxal da qual é possível sair somente com a autoexclusão da vida. Autor do igualmente consagrado texto teatral Seis personagens em busca de um autor e Prêmio Nobel de Literatura em 1934, Luigi Pirandello criou uma das obras mais originais do início do século passado, marcada por buscar uma reflexão sobre a fragilidade da condição humana diante da espiral sem saída que é a vida. No momento mais crítico de sua vida – desprezado pela família, acossado por credores, com um trabalho medíocre –, um golpe do acaso muda a vida do jovem Pascal, que ganha uma pequena fortuna num cassino e, ao mesmo tempo, é dado como morto, pois o confundem com um cadáver achado em sua cidade natal. Decide, então, assumir uma nova identidade e parte em viagem pela Europa, de modo aventureiro, envolvendo-se em contínuos contratempos"




21 janeiro 2021

Raymond Chandler: "O Sono Eterno" pode durar uma noite...

 



Jorge F. Isah


Não é o primeiro livro de Chandler que leio, mas “O Sono Eterno” tem todos os elementos que fariam de Raymond Chandler o expoente dos romances policiais “noir” (para quem não sabe, a palavra francesa significa escuro, preto); até mais do que o seu “mestre”,  Dashiell Hammett (“O Falcão Maltês”, entre outros), provavelmente o “pai” do estilo. Ao contrário dos clássicos policiais de Poe, Chesterton, Christie, Conan Doyle, entre outros, Phillip Marlowe e San Spade (o antecessor daquele) diferem-se dos protagonistas tradicionais ao assumirem um estilo menos nobre, culto, intelectual. Parecem tropeçar nas pistas a desvendarem os crimes, ao invés de engendrar, com cuidado meticuloso, os caminhos que os levarão aos criminosos e à solução dos dilemas. Marlowe, assim como Spade, é mulherengo, etilista, circunspecto, rude, sem muitas ambições. A despeito do caráter moral, a impedi-lo de se confundir com os bandidos, suporta uma linha tênue entre o bem e o mal sem ultrapassá-la, ao menos no que concerne mantê-lo no escopo do “herói”, mesmo utilizando-se de métodos pouco ortodoxos e alguns censuráveis. Não é uma mente brilhante como a do Padre Brown ou Poirot, mas, como eles, é obstinado em resolver dilemas criminais e capturar malfeitores. Em suma, a luta entre o bem e o mal está presente, e, podemos dizer, sempre aquele prevalecerá, no final, sobre esse.

O estilo de Chandler é linear sem rupturas na narrativa, idas e voltas, mas com reviravoltas e surpresas no enredo. É uma característica corrente em sua obra, e aqui também se faz presente.  A construção dos personagem não busca o aprofundamento psicológico, muito menos conhecer-lhes o íntimo, suas perplexidades e índole. Em princípio, elas são “peças” em um tabuleiro cujo objetivo é demonstrar que todos estão dispostos, em maior ou menor grau, a cometer pecados. E isso não é uma crítica, mas um acerto de Chandler. Entretanto, não sabemos a motivação ou circunstâncias que levaram os personagens a agir de maneira delituosa. Basta saber o necessário para o desenrolar da trama; tendo-se a certeza de ninguém, nem mesmo o “caçador de culpados”, estar imune aos deslizes e pequenos delitos. Esses são tratados com condescendência, como o “mal menor” e, em alguns casos, justificáveis. Da jovem fisicamente frágil e psicologicamente perturbada até ao velho, inválido e doente terminal, nenhum deles escapa à natureza humana, seja o egoísmo a mover-lhes, seja o exibicionismo, sejam os vícios, a megalomania, a ganância, etc. Todos compartilham da porção de pecado, e ninguém é inocente, mesmo se provando o contrário. Até mesmo a mulher que não tem qualquer impulso desonesto é acusada e condenada, por sua beleza atordoante.

Um ponto que me incomodou bastante durante a leitura, foi o excesso de comparações, metáforas, a cada página, tornando a escrita artificial e forçosamente engraçadinha. Chandler é irônico, e nesses momentos ele conseguia manter o fascínio do texto. Ao contrário, quando o desejo era o de ser “espirituoso”, o efeito fazia-se contrário, causando tédio e desagrado. Particularmente, resultava na ideia de um trecho mal escrito, descuidado, e por demais rijo (no sentido de engessado). P. Ex: “Então o general falou de novo, lentamente, utilizando sua força com extremo cuidado, do mesmo modo que uma atriz desempregada usa seu último par de meias boas.” (grifo meu). O recurso, se não fosse utilizado de forma compulsiva e inapropriada muitas vezes,  alcançaria êxito, mas, ao nos deparar com constantes metáforas, como se fossem jogadas no texto, o intuito torna-se tíbio e, não poucas vezes, ridículo. Utilizá-lo de maneira equilibrada traria ao texto mais polimento.

Chandler influenciou gerações de autores. Um exemplo é Charles Bukowski que, a despeito dele dar mais crédito a Dostoievski, Céline, e, especialmente Fante, inspirou-se naquele quanto à forma rude, seca e objetiva de escrever, sem floreios, elegância e a complexidade de outros autores. Quanto ao humor, ou à maneira de rir de si mesmo e dos outros, Chandler não alcança grande sucesso, ao passo que o “velho safado” tem esse como um dos pontos altos da sua escrita; talvez o melhor em toda a sua linguagem.

Não é um livro para se desprezar; e pode ser lido em um final-de-semana. Tenho por base ler livros menos “complexos” enquanto me debruço sobre outros mais “solenes”; e sempre recorro a Chandler ou Hammett, Ágata Christie, Simenon, para “descansar”. E entre todos eles, Chandler é um dos meus preferidos. Pena não ter escrito muito (se perdeu, quero dizer, perdeu tempo com roteiros de cinema, em Hollywood), mas sempre existe a chance de reler os seus clássicos.

Em suma, “O sono eterno” é um exemplar típico da literatura noir, e um dos seus expoentes. Não é uma obra-prima; mas não é preciso sê-lo para cumprir ao que se propõe: ser literatura de qualidade.

E o é!


____________________________ 

Avaliação: (***)

Título: O Sono Eterno

Autor: Raymond Chandler

Editora: Brasiliense

No. de Páginas: 243

Sinopse: "Philip Marlowe, detetive particular em Los Angeles, é chamado à mansão do velho General Sternwood para investigar um caso de chantagem, aparentemente banal, envolvendo uma de suas filhas. Em pouco tempo, Marlowe percebe que algo se esconde atrás desse pedido, e que as duas filhas do General, Vivian e Carmen Sternwood, podem ser mais perigosas do que aparentam. Em uma cidade chuvosa e enevoada, ele aos poucos se envolve com a pornografia ilegal e a máfia dos jogos. Nesta primeira aventura de Marlowe, publicada originalmente em 1939, Raymond Chandler deu nova vida ao romance policial, mesclando uma trama envolvente a um estilo inigualável - corrosivo, cômico e extremamente original."