30 novembro 2017

Sermão em João 10.9: A Porta aberta para a vida, e fechada para a morte!




Jorge F. Isah





“Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens.” João 10:9


INTRODUÇÃO:

- Deus usa de uma linguagem figurada, metafórica ou simbólica, para descrever verdades tanto relativas a Si, a sua criação e a realidade.

- Muitas vezes, ele é chamado de Rocha, Rochedo ou Fortaleza, como, p. ex., em 2 Samuel:

“Vive o Senhor, e bendito seja o meu rochedo; e exaltado seja Deus, a rocha da minha salvação” 2 Samuel 22:47
E em Salmos:

“Porque tu és a minha rocha e a minha fortaleza; assim, por amor do teu nome, guia-me e encaminha-me”. Salmos 31:3

- Ele é também chamado de Pastor, como no próprio Cap. 10 de João, e no Salmo 23.

- Também se autointitula o “pão da vida”:


“Eu sou o pão da vida.
Vossos pais comeram o maná no deserto, e morreram.
Este é o pão que desce do céu, para que o que dele comer não morra.
Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém comer deste pão, viverá para sempre; e o pão que eu der é a minha carne, que eu darei pela vida do mundo.


- São imagens e alusões, como uma ilustração (é como se Deus desenhasse) a facilitar a nossa compreensão daquilo que ele nos revela de Si, como ele age junto aos seus filhos.

- Tudo isso é necessário por causa da Queda, que contaminou o intelecto, a razão e alma do homem.

- Deus cuidadosamente, como um pedagogo, nos ensina o “Beabá” da sua revelação por meio de ilustrações, possíveis ao entendimento, em princípio de qualquer um. São associações que Deus utiliza para nos levar ao conhecimento.

- Tal qual uma professora junta as letras e ensina as crianças a lerem e formarem as palavras.

- Entretanto, sabemos que somente aqueles que são chamados por ele, e capacitados por ele, podem alcançar a compreensão tanto das coisas simples como das complexas.

- Para um doutor em teologia, mas inconverso, até as referências mais básicas lhe escaparão o sentido, enquanto para o crente, aquele transformado pelo Espírito de Cristo, as mais profundas tramas da revelação lhe serão patentes e claras.

- Com isto, não estou a dizer que todo o crente pode entender tudo aquilo revelado por Deus, nem de que alcançará a sabedoria plena de toda a revelação; mas certamente terá a medida exata daquilo que Deus lhe der, segundo a sua santa vontade.

- Entretanto, são verdades apresentadas, e que não devem ser alvo de dúvidas ou imprecisões.

- P. Ex., em Isaías, lemos a afirmação da eternidade divina:


“Não sabes, não ouviste que o eterno Deus, o Senhor, o Criador dos fins da terra, nem se cansa nem se fatiga? É inescrutável o seu entendimento.” Isaías 40:28

E ainda:


“Mas o Senhor Deus é a verdade; ele mesmo é o Deus vivo e o Rei eterno; ao seu furor treme a terra, e as nações não podem suportar a sua indignação.” Jeremias 10:10


- A eternidade talvez seja um dos atributos divinos mais difíceis de se entender, exatamente por estarmos no tempo, e por sermos temporais. Muitos entendem a eternidade como uma sucessão de momentos, uma sequência de “tempos”, quando ela não pode ser compreendida a partir do temporal, da sucessão de instantes, mas como sendo o próprio Deus, que é eterno.

- Mas este não é o nosso foco, falar da eternidade, apenas afirmar que, mesmo não a entendendo por completo ou mesmo o suficiente, importa que a Escritura afirma a seguinte máxima:

“DEUS É ETERNO!”

- Ou seja, a nossa ignorância ou incapacidade ou incompreensão não devem ser justificativas para a incredulidade e a falta de fé. Se Deus disse que ele é eterno, Deus é eterno, e ponto final!

- Da mesma forma, neste verso 9, o próprio Senhor Jesus se autodenomina “a Porta”.


CRISTO: A PORTA!! MAS EM QUAL SENTIDO?

- “Eu sou a porta”, afirma o Senhor.

- Primeiro, devemos ressaltar que Cristo não se intitula “uma” porta, mas a porta. Não existe outro meio ou forma de o homem se salvar sem ele, ao contrário do que boa parte da humanidade defende e preconiza.

- Sabemos que ele não é, também, uma porta no sentido literal, uma peça de madeira, vidro ou metal de fato. Seria loucura pensar isso.

- Mas, de imediato a ideia de Cristo como uma porta nos remete a elementos característicos dela, e que estão presentes na pessoa e ministério do Senhor. 

Vejamos alguns:

1- Cristo, como porta, abre-nos o caminho santo que nos levará a Deus.
- Uma porta é utilizada para abrir um local, permitindo que pessoas a atravessem e entrem ao recinto antes impenetrável.

- Não é difícil a alusão à nossa condição de impossibilitados, incapacitados, impedidos de entrar em comunhão com Deus, e de entrar no gozo eterno nos céus. Havia uma parede intransponível que nos impedia o acesso a Deus, por isso precisamos de uma porta.

- Deus nos propiciou Cristo e o seu sacrifício na cruz, a porta pela qual somos transportados e postos no lugar que Deus reservou para o seu povo.

- Sem Cristo, como a porta, o homem estaria irremediavelmente perdido, sem qualquer possibilidade de haver salvação. É o que Paulo nos diz:


“Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem.” 1 Timóteo 2:5

- E Pedro o confirma:


“E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.” Atos 4:12


2-Cristo, é a porta que, fechada, nos protege, preserva e guarda.

- Quando uma porta se fecha, estamos seguros. É uma analogia, mas ela serve muito bem para nos mostrar o cuidado que o Senhor tem pelo seu povo.

- Todas as nossas casas têm portas, para nos manter seguros. Elas nos livram e protegem de predadores, das intempéries, e das investidas dos salteadores, ladrões e assassinos.

- Mantemos as nossas portas fechadas por segurança, para não sermos molestados, termos os bens roubados, sermos feridos ou mortos.

- Cristo é a porta que, fechada, nos assegura o refúgio e segurança imprescindíveis, mantendo-nos em paz, aconchegados, nos livrando das artimanhas e investidas do Maligno e de seus servos.

- O próprio Senhor nos disse, um pouco mais abaixo, neste mesmo evangelho de João, que:


“O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância.” João 10:10


- Cristo é a única porta capaz de nos proteger, impedindo que Satanás cumpra o seu propósito de nos arrolar para o fogo do inferno para o qual foi preparado, e que o espera.

- Então, além de Cristo nos dar acesso a Deus e ao seu reino de glória, ele é aquele que nos preserva em seu amor e graça, mantendo-nos livre da condenação.

3- Cristo é a porta fechada para o satanás e o mal.

- Ele nos impede de “voltarmos ao vômito”, de sermos novamente aquilo que éramos sem ele, de que o velho homem renasça, aquele mesmo mortificado pelo Espírito, mas cujas lembranças nos atemorizam ainda.

- Ele é ainda a porta que, fechada, não permite que saímos do seu arraial ou curral, e sejamos novamente presas fáceis para o pecado e o mal. Ele nos protege de nós mesmos, daquele velho homem que, morto, teima ainda ressurgir em nossas vidas.

- Creio que todos os crentes temem recair nas velhas práticas do homem natural, daqueles que são inimigos de Deus. Pois é Cristo quem nos assegura que nunca mais seremos aquele homem, novamente. 

- Esta é uma das certezas que temos quando Cristo diz: “Eu sou a porta”.

- Outra certeza é de termos alimento em abundância.

- Suas ovelhas nunca terão fome, e se alimentarão nas abundantes pastagens.

4- Cristo é a porta que impedirá Satanás e seus servos de entrarem e nos arrastarem para fora. Ele não permitirá que o sirvamos de novo, e que ele tente nos “sequestrar” de suas mãos.

- Estamos firmes, seguros e protegidos no lugar em que Cristo nos colocou, reservando-nos eternamente para a sua glória, e para a comunhão perfeita que temos consigo, o Pai e o Espírito.


CONCLUSÃO:

- Cristo é a porta que manterá as suas ovelhas sob a sua guarda, condução, proteção.

- Cristo é aquele que ajunta as suas ovelhas, reunindo-as nas “terras” do Pai.

- Ele é quem as dá vida, garantindo que jamais vejam a morte.

- Ele é quem impede que elas se dispersem, enfraqueçam, e sucumbam a própria inépcia.

- Ele é quem as preserva para a vida eterna.

- Quem as livra da condenação e do inferno.

- Cristo é a única, suficiente, e verdadeira porta. É ele quem nos atrai, preservando e garantindo a nossa segurança, mantendo-nos santos e imaculados diante do Pai.


- Cristo é tudo!

- E assim, sendo tudo em nós, para sempre estaremos com ele, e o nosso gozo será completo!

SOLI DEO GLORIA!


21 novembro 2017

When Calls the Heart: Encontre os valores perdidos neste mundo.




Jorge F. Isah


Há algumas semanas, descobri "When Calls the Heart" no NetFlix, quase por acaso. Como não assisto TV aberta há uma década, mais ou menos, e a TV a cabo tem-se tornado insistentemente repetitiva e banal, vou direto à plataforma de Streaming em busca de alguma diversão, diga-se, nem tão frequente assim. Então, meio que "tropecei" na série.

Em princípio, ela me lembrou, já nos créditos iniciais, "Os Pioneiros", porque o produtor, idealizador e diretor é o filho do Michael Landon (O “Little Joe”, de Bonanza; e idealizador, produtor, diretor e ator principal de Os Pioneiros), além de uma série dos anos 1970 que marcou a minha adolescência, "Os Waltons". Mas a semelhança não para por aí. Não sei dizer se o Landon, pai, era cristão, muito menos se o Landon Jr. o é, mas a temática das histórias centra-se exatamente nos valores e princípios emanados do Cristianismo: fraternidade, amor, solidariedade, fidelidade, coragem, hombridade, etc. 

É claro que nenhuma série refletiria a realidade se não tivesse as suas porções de egoísmo, inveja, orgulho, ciúmes, cobiça, traição, e outros pecados comumente manifestados pelos homens. O diferencial é que nela não existe nenhuma exaltação dos erros, nem a contemporização com eles, antes são tratados como devidamente são: falhas, equívocos; há o chamado ao arrependimento, o estímulo às virtudes, e a uma vida permeada pelo favor divino (mesmo nas tragédias). Sim, você encontrará orações, pregações, diálogos e um sem número de referências a Deus e à Bíblia. É pouco? Para mim, não é de se desprezar. 

Bem, não farei uma resenha da série, nem entrarei em seus pormenores, porque o meu objetivo é indica-la para os desconhecidos que, como eu, talvez viessem a conhecê-la por um “acaso”, fortuitamente. Sei que muitos torcerão os narizes, pela simplicidade da narrativa e dos personagens, mas exatamente por isso, por serem comuns mortais, gente como a maioria de nós, está o seu encanto, quando nos vemos em muitas das situações narradas, criando uma empatia, até mesmo pela nostalgia de tempos vividos, e que estão muito distante das misérias que cercam as relações pessoais em nossos dias.  Para mim, tem sido um “oásis” em meio às programações e noticiários hodiernos, a toda a psicopatia reinante nas várias mídias.

Gostaria, sinceramente, que houvessem mais “Landons” na televisão e no cinema, e que as pessoas não se entregassem às distrações que as conservam em um quase estado de paralelismo existencial.

É o olhar do mundo imperfeito, mas descansando na esperança de que, Aquele que é perfeito, o transformará e o restaurará.


Nota: 1-A série pode ser assistida no NetFlix, que já teve quatro temporadas concluídas. A quinta temporada será lançada em breve. É uma produção do estúdio Hallmark Movies, pródigo em fornecer ficção baseada em livros autobiográficos, e que estão completamente "fora da curva" do que o cinema e tv andam realizando atualmente, com raras e providenciais exceções. 

2-Pesquisando, na Web, encontrei a apresentação do Allan dos Santos à série, disponível no Youtube no link abaixo. Aos interessados, mais um depoimento de quão boa, e surpreendente,  é essa novela: 

"Dica de seriado", no Terça Livre